Mundo

Pompeo pede a Cuba para libertar o líder dissidente Ferrer

Pompeo pede a Cuba para libertar o líder dissidente Ferrer

O dissidente cubano Jose Daniel Ferrer, visto aqui em uma visita em 2016 a Washington - GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP/Arquivos

O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, apelou nesta segunda-feira diretamente a Cuba para libertar o líder dissidente Jose Daniel Ferrer, prometendo responsabilizar o governo comunista pelo tratamento aos prisioneiros políticos.

Em uma carta aberta ao ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, Pompeo disse que Ferrer foi “arrastado, acorrentado, espancado e queimado” pelas autoridades desde que foi preso há mais de cem dias.

“Até que haja democracia e respeito pelos direitos humanos em Cuba e todos os presos políticos sejam libertados, os Estados Unidos continuarão responsabilizando esse governo por seus abusos”, escreveu Pompeo.

“Pelo bem do povo cubano e pelo bem de sua nação, pedimos que liberte Jose Daniel Ferrer imediatamente e dê o primeiro passo em direção a um futuro melhor para Cuba”.

Ferrer, de 48 anos, um dos dissidentes mais reconhecidos que optou por permanecer em Cuba em vez de se exilar, foi preso em 2003 após liderar pedidos de reformas políticas democráticas.

Depois de ser libertado em 2011, após a pressão da Igreja Católica, formou a União Patriótica de Cuba, um grupo de oposição.

Após sua última prisão, em 1º de outubro de 2019, o jornal oficial de Cuba “Granma” chamou Ferrer de “um agente pago dos Estados Unidos”, alegações rejeitadas por Washington.

Governos europeus e grupos de direitos humanos também pediram a Cuba para liberar Ferrer.

Estados Unidos e Cuba, que não tinham boas relações desde a Revolução de Fidel Castro, em 1959, tiveram uma histórica aproximação entre 2014 e 2016, quando as relações diplomáticas foram reestabelecidas. No entanto, o vínculo se deteriorou com a chegada de Trump à Casa Branca, em 2017.

Desde então, Washington tem aplicado sanções que afetam o envio de combustíveis, transações financeiras, turismo e os investimentos em Cuba.