Mundo

Pompeo alerta para novas medidas contra Pequim, depois de ‘dia triste’ para Hong Kong

Pompeo alerta para novas medidas contra Pequim, depois de ‘dia triste’ para Hong Kong

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo - POOL/AFP

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo, alertou Pequim de mais retaliação por aprovar uma lei que restringe liberdades e autonomia para Hong Kong, no que ele chamou de “dia triste”.

“Hoje é um dia triste para Hong Kong e para todos os amantes da liberdade na China”, afirmou o secretário de Estado.

Ele também alertou que seu país “não ficará parado à medida que a China engolir Hong Kong com sua boca autoritária”, depois que o presidente chinês, Xi Jinping, promulgou uma lei de segurança nacional para a ex-colônia britânica.

A lei é apontada por seus detratores como uma tentativa de silenciar a oposição em Hong Kong.

A medida prevê que a justiça chinesa seja aplicada para danos “sérios” à segurança e prevê prisão perpétua por crimes contra a segurança nacional.

“Sob as instruções do presidente Trump, removeremos as isenções políticas que dão tratamento diferente e especial a Hong Kong, com certas exceções”, alertou Pompeo.

No final de maio, Washington revogou o status preferencial de comércio de Hong Kong.

Na ONU, 27 países, incluindo França e Japão, convidaram a China a reexaminar essa lei, que eles dizem que “ameaça” as liberdades naquele território autônomo.

Veja também

+ Neto de Elvis Presley é encontrado morto, diz site
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Cientistas localizam o centro do Sistema Solar — e advinhem, não é o Sol
+ Filho de David Beckham fica noivo de atriz filha de bilionário
+ Royal Enfield Interceptor 650 a moto mais vendida no Reino Unido
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior