Tecnologia & Meio ambiente

Poluição da água pode reduzir crescimento econômico em um terço, diz Banco Mundial

Poluição da água pode reduzir crescimento econômico em um terço, diz Banco Mundial

Barcos de pesca em águas cheias de lixo em Banda Aceh, na Indonésia, em 16 de julho de 2019 - AFP/Arquivos

A água altamente poluída está reduzindo o crescimento econômico em até um terço em alguns países, disse um relatório do Banco Mundial nesta terça-feira, pedindo ação para combater os danos aos humanos e ao meio ambiente.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

O relatório baseou-se no que o Banco Mundial disse ser o maior banco de dados já montado sobre a qualidade global da água, usando estações de monitoramento, dados de satélite e modelos de aprendizado de máquina.

“A água limpa é um fator-chave para o crescimento econômico. A deterioração da qualidade da água está atrasando o crescimento econômico, piorando as condições de saúde, reduzindo a produção de alimentos e exacerbando a pobreza em muitos países”, disse o presidente do Grupo Banco Mundial, David Malpass.

O relatório constatou que quando a Demanda Bioquímica de Oxigênio – um índice do grau de poluição orgânica e um indicador da poluição global da água – ultrapassa 8 miligramas por litro, o crescimento do PIB nas regiões a jusante cai 0,83 pontos percentuais, cerca de um terço da taxa média de crescimento de 2,33% utilizada no estudo.

Isso se deve aos impactos sobre a saúde, a agricultura e os ecossistemas e é uma “indicação clara de que há com frequência compensações entre os benefícios da produção econômica e da qualidade ambiental e que as externalidades … podem ser circulares”, disse o relatório.

Um dos principais contribuintes para a má qualidade da água é o nitrogênio, essencial para a produção agrícola, mas que penetra nos rios e oceanos, onde cria hipóxia e zonas mortas, e no ar, onde forma o óxido nitroso, um gás de efeito estufa.

O relatório afirma que a exposição precoce das crianças aos nitratos afeta o crescimento e o desenvolvimento do cérebro, reduzindo sua saúde e potencial de ganho.

Para cada quilo adicional de fertilizante de nitrogênio por hectare, a produtividade pode subir até 5%, mas a desnutrição infantil aumenta em até 19% e os futuros rendimentos dos adultos caem em até 2% em comparação com aqueles não afetados.

E o aumento da salinidade como resultado de pressões provocadas pelo homem, como irrigação, escoamento de águas pluviais, lixiviação de fertilizantes e descarga de efluentes urbanos está reduzindo os rendimentos agrícolas.

O relatório estima que a quantidade de comida perdida para a água salina a cada ano é suficiente para alimentar 170 milhões de pessoas, o equivalente à população de Bangladesh.

Os autores dividiram suas recomendações em três áreas principais: campanhas de informação para aumentar a conscientização, esforços de prevenção para conter alguns dos piores problemas e investimentos para tratar a poluição uma vez ocorrida, com tecnologias mais modernas, como a osmose reversa, oferecendo novos caminhos.

Veja também

+Cidadania divulga calendário de pagamentos da extensão do auxílio emergencial

+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea