Geral

Policial entregou fuzil uma semana após morte de João Pedro, diz jornal

Policial entregou fuzil uma semana após morte de João Pedro, diz jornal

Um dos policiais civis investigados pela morte de João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, entregou um fuzil M16 calibre 556 para análise uma semana após o crime. A arma é do mesmo calibre do projétil que atingiu a vítima. As informações são do jornal O Globo.

O adolescente foi morto durante uma operação conjunta com a Polícia Federal em São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Segundo o jornal, no primeiro depoimento que prestou na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), o agente omitiu que havia usado o fuzil.

LEIA TAMBÉM: MPF pede investigação de morte a tiros e ocultação de cadáver
Policiais envolvidos na morte de João Pedro são afastados das ruas

No depoimento do dia 18 de maio, o agente alegou que havia dado dez tiros com um fuzil Parafal calibre 762 dentro da casa. Essa foi a única arma que ele entregou aos investigadores na ocasião. No entanto, no dia 25, o policial retornou à delegacia e admitiu que deu “em torno de 16 tiros” dentro do imóvel usando outro armamento: um fuzil calibre 556.

Segundo o policial, ele só percebeu que “esqueceu” de falar sobre o fuzil quando voltou para a base e contou os cartuchos que sobraram. A arma agora será submetida a confronto balístico com o projétil retirado do corpo de João Pedro.

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior