Geral

Polícia identifica autor de ofensas racistas à prefeita eleita em Bauru

Crédito: Divulgação

A Polícia Civil identificou o autor das ofensas racistas postadas nas redes sociais contra a prefeita eleita de Bauru, no interior de São Paulo, Suéllen Rosim (Patriota). O fato foi anunciado em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (3). As informações são do G1.

+ Após ofensas racistas, prefeita eleita em Bauru é ameaçada de morte

+ Prefeita eleita de Bauru sofre ataques racistas nas redes sociais

De acordo com o delegado Eduardo Herrera dos Santos, o suspeito é um homem negro de 37 anos que queria “despertar uma discussão”. Ele é investigado pelo crime de injúria, prestou depoimento e acabou liberado.

“Neste momento as investigações prosseguem e a tipificação penal, como inicialmente foi feita como injúria racial, ela permanece. Neste momento não temos mudança quanto à tipificação. Pelo contrário, existe a possibilidade sim de que seja acrescentada a tipificação também de uma eventual falsidade pelo perfil falso que foi criado”, diz Herrera.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Às vésperas da eleição de segundo turno, Suéllen Rosim recebeu os ataques racistas postados no Facebook e distribuídos em grupos de Whatsapp.

“Bauru não merecia ter essa prefeita de cor com cara de favelada comandando a nossa cidade. A senzala estará no poder nos próximos quatro anos”, diz uma das mensagens que foi “printada” por usuários do Facebook e encaminhada à prefeita eleita.

Em outra mensagem, o agressor diz: “não tenho nada contra, mas essa gente de pele escura, com cara de marginal administrado essa cidade, será o fim”.

Reprodução

Ameaças de morte

Além das mensagens de cunho racista que recebeu, Suéllen retornou à delegacia na terça-feira (1º) para denunciar uma ameaça de morte recebida por e-mail.

De acordo com a prefeita eleita, o homem se identificou em uma mensagem enviada na segunda-feira (30) e afirmou que iria comprar uma pistola no Rio de Janeiro para matá-la, além de chama-la de “macaca”.

Segundo o delegado, o e-mail foi anexado ao primeiro boletim de ocorrência e será investigado pela Polícia Civil como injúria racial, a princípio. Nenhum suspeito foi identificado ainda por este ataque.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel