Comportamento

França desmantela acampamentos e endurece política migratória

França desmantela acampamentos e endurece política migratória

Um policial carrega um carrinho de bebê durante a evacuação de um campo de imigrantes em Paris - AFP

A polícia francesa desmantelou nesta quinta-feira (7) dois grandes acampamentos de migrantes no norte de Paris, onde moravam pelo menos 1.600 pessoas em condições precárias.

A operação foi realizada um dia depois de o governo anunciar uma série de medidas severas para recuperar o controle da imigração.

Quase 600 policiais participaram, no início da manhã, da operação de retirada dos migrantes, que viviam em barracas em plena rua. Em poucas horas, eles foram levados de ônibus para abrigos temporários. A situação será examinada caso a caso.

Muitos migrantes fogem da guerra e da miséria na África, ou no Oriente Médio, e buscam refúgio na Europa. Vários não possuem documentos, outros são refugiados, ou aguardam a resposta ao pedido de asilo.

A operação acontece em um contexto de endurecimento da política migratória francesa e representa a aplicação de um pacote de medidas anunciadas na quarta-feira (6) pelo governo.

“Queremos recuperar o controle da nossa política migratória”, disse o primeiro-ministro Edouard Philippe, que ontem anunciou 20 medidas, incluindo o desmantelamento de todos os acampamentos ao nordeste de Paris, onde vivem 3.000 pessoas, até o fim do ano.

O governo do presidente Emmanuel Macron, que deu uma guinada à direita na área de imigração, também anunciou um plano para estabelecer a partir de 2020 cotas de imigrantes econômicos em função das necessidades de cada setor.

Além disso, a França vai restringir o acesso ao atendimento de saúde gratuito para os demandantes de asilo e para pessoas sem documento que não receberam status de refugiado, exceto em casos urgentes, alegando que há muitos abusos do sistema.

A polícia emitiu a ordem de evacuação desta quinta-feira por considerar que os acampamentos estavam crescendo muito e registravam atos de delinquência.

Dados oficiais apontam 213 agressões nesta área do norte de Paris desde o início do ano.

“Não posso permitir uma situação tão perigosa como esta. Isso não pode durar”, afirmou o comandante de polícia de Paris, Didier Lallement.

Um terceiro acampamento, também no norte de Paris, onde vivem pelo menos 1.000 migrantes em condições insalubres, será evacuado nas próximas semanas.

O governo francês afirma que busca “melhorar a recepção aos que têm direito a asilo” e expulsar de maneira mais rigorosa os migrantes econômicos que não têm direito a este status.

De acordo com dados oficiais, os pedidos de asilo para a França aumentaram em 20% em 2018, enquanto, em média, registraram queda no restante da Europa.

O governo Macron adotou um novo plano para evitar o monopólio do debate sobre o tema por parte da extrema direita, já pensando nas eleições de 2022.