Mundo

Polícia da Austrália apreende 552 kg de cocaína em polpa de banana brasileira

Crédito: Australian Federal Police

Um homem de 68 anos foi preso em Sidney, na Austrália, suspeito de traficar quase 552 quilos de cocaína escondidos em sacos de polpa de banana do Brasil. A droga foi descoberta após as autoridades australianas serem informadas pela Divisão de Investigações de Segurança Interna (HSI) dos EUA sobre um carregamento suspeito com destino ao país.

Conforme a polícia local, a Operação Stalwart começou em setembro de 2020. A remessa de origem brasileira chegou em solo australiano no último dia 21 e foi examinada por oficiais da Força de Fronteira. O contêiner refrigerado continha cerca de 2 mil caixas de polpas de frutas variadas. Do total, 275 continham polpa de banana recheada com cocaína.

O valor estimado da droga apreendida é de US $ 248 milhões (cerca de R$ 1,39 bilhão). Durante a operação, as autoridades monitoraram o destino final da encomenda e chegaram até um homem de Forestville que ao receber a remessa revistou os sacos de polpa de banana para retirar a cocaína.

Na última sexta-feira (16), os agentes cumpriram um mandado de busca e apreensão na casa do suspeito. Os crimes pelos quais o homem deve responder podem chegar a pena máxima de prisão perpétua.

Here’s a juicy one for you.A 68-year-old man has been arrested following an investigation into 552kgs of cocaine...

Posted by Australian Federal Police on Sunday, October 18, 2020

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel