A expressão do volante Diego Pituca não escondeu o incômodo pela situação do Santos, que conheceu a quarta derrota consecutiva na Série B do Campeonato Brasileiro ao perder para o Operário por 1 a 0, em Ponta Grossa, pela décima rodada. O jogador se colocou no lugar do torcedor e o convocou para o próximo compromisso do clube, diante do Goiás, na quarta-feira, às 19h, na Vila Belmiro.

“Acho que o torcedor está cansado de ouvir desculpas. Primeiro tempo fomos muito abaixo, segundo tempo melhoramos bastante. Bola na trave. Agora é trabalhar. Não tem outra explicação. É continuar trabalhando. Temos outro jogo muito difícil na quarta. Espero que o torcedor possa lotar a Vila e continuar nos apoiando”, afirmou.

Diferente do que ocorreu na derrota para o Novorizontino por 3 a 1, quando os torcedores cercaram o ônibus do time nas rodovias, a delegação retornou a Santos sem maiores problemas. O fato, no entanto, não diminui a pressão sobre o clube, que começa a se distanciar do G-4. O técnico Fábio Carille ainda detém da confiança da diretoria e afirmou que o Santos merecia uma sorte maior.

“Nesses quatro jogos, houve situações em que nós merecíamos sorte maior ou uma definição melhor. Por exemplo, o jogo contra o Botafogo-SP. Criamos muitas chances, muitas. O adversário chegou pouco, mas acertou dois chutes e saímos derrotados. Isso não é desculpa, mas é o que aconteceu”, explicou o comandante.

Ainda com alguns desfalques, o Santos está de olho no mercado para reforçar o clube na Série B. A prioridade é na contratação de um goleiro. Marcelo Grohe, sem time desde quando deixou o Al-Ittihad, e Santos, do Fortaleza, são os mais cotados para assumir o lugar de João Paulo, que, lesionado, só deve voltar na próxima temporada.

A fase negativa derrubou o Santos da liderança para a sexta posição da Série B, com 15 pontos, atrás de Avaí (20), América-MG (18), Operário (18), Goiás (17) e Mirassol (17).