Artigos

Pirâmide do Louvre, da polêmica ao aplauso unânime

Pirâmide do Louvre, da polêmica ao aplauso unânime

A pirâmide do Louvre, em 21 de março de 2019 - AFP

Até sua inauguração em 1989, a pirâmide do Louvre causou polêmica entre aqueles que viam nesta escultura de vidro que serve de entrada ao museu parisiense uma profanação cultural. Agora, 30 anos depois, a obra de Ieoh Ming Pei é celebrada de forma unânime.

Inflamada por grandes nomes da imprensa francesa, a polêmica durou muito anos, reflexo do eterno conflito entre amantes do antigo e do moderno, como já havia sido o caso de tantas outras obras, como o Centro Pompidou de Paris.

O debate envolveu todo país. Michel Laclotte, diretor do Louvre entre 1987 e 1995, lembra do espanto de um taxista em Nice (sudeste): “Mas que diabos estão fazendo com o Louvre!”.

– Primeiro ato: ampliar o Louvre –

Tudo começou em 31 de julho de 1981, quando Jack Lang, então novo ministro da Cultura, escreveu ao presidente François Mitterrand: “Tem uma ideia potente: recriar o Grand Louvre destinando todo edifício ao museu”.

O Ministério das Finanças ocupava uma parte do museu. “É uma boa ideia, mas difícil de concretizar, como todas as boas ideias”, afirmou Mitterrand sobre a mesma carta.

“Então, achávamos que o poderoso ministério não aceitaria mudar de lugar”, disse Jack Lang à AFP.

“Mas o pátio Napoleão era um estacionamento horrível. O museu sofria com a falta de uma entrada central”, acrescentou.

“Com Mitterrand, tínhamos em mente entrar em contato com Pei. O presidente admirava suas obras nos Estados Unidos”, completou.

– Segundo ato: a polêmica –

Michel Laclotte “revive a cena” da descoberta do projeto de Pei, em uma reunião reservada. “Tinha uma grande maquete sobre a mesa. Depois, colocaram a pirâmide. Todo o mundo ficou seduzido”, relata.

Quando o jornal “France Soir” publicou a maquete em 1984, houve uma “explosão” de críticas, que denunciavam, por exemplo, que o Louvre se transformaria na “casa dos mortos” – nas palavras de um jornalista do “Le Monde”.

Chamados para uma “insurreição”, brincadeiras sobre as intenções de Mitterrand de virar o primeiro “faraó” da França. Publicou-se, inclusive, um livro contra a pirâmide – “Paris mystifié : La grande illusion du Grand Louvre” (“Paris mistificada. A grande ilusão do Grand Louvre”, em tradução livre) -, escrito por três historiadores.

A crítica não afetava tanto a ampliação do museu quanto a estética de uma arquitetura contemporânea em um monumento de Napoleão III.

“Houve uma reunião no Eliseu em 1984: Mitterrand era muito prudente, mas estava de acordo em que devíamos seguir adiante”, contou o arquiteto Michel Macary, um dos principais protagonistas do projeto.

“No meu escritório, em segredo, mostrei a maquete. Compareceram umas 50 personalidades, entre elas Catherine Deneuve, Pierre Bergé, Gérard Depardieu, Pierre Soulages, Ariane Mnouchkine, Patrice Chéreau, Serge Gainsbourg, Nathalie Sarraute…”.

– “Mitterrand se envolveu” –

Enquanto duraram as obras, colossais, “Mitterrand se envolveu. Foi várias vezes visitá-las”, segundo Lang.

Emile Biasini, presidente do estabelecimento público do Louvre de 1982 a 1988, “reuniu os conservadores do museu, chegando a uma espécie de compromisso de Yalta: preservaremos seus departamentos, mas vocês têm que nos apoiar” – contou o ex-ministro socialista.

Jacques Chirac, então prefeito de Paris, estava furioso por tomar conhecimento do projeto por um vazamento à imprensa.

“Chirac ficou irado, mas nunca criticou o projeto. ‘Não me choca em nada’, dizia”, segundo Macary.

O futuro presidente pôs, porém, uma condição: que as pessoas tivessem a oportunidade de imaginar como seria a obra já construída. “Foram estendidos três cabos. Vieram milhares de parisienses”, em maio de 1985.

“Imaginavam que íamos instalar a pirâmide de Quéops”, lembra Jack Lang com um sorriso.

Alguns “não baixaram a guarda” até o fim. Entre eles, o conservador “Le Figaro”, que, com o tempo, acabou pedindo para celebrar o aniversário do jornal na pirâmide, comenta o ex-ministro.

Para o atual presidente do Louvre, Jean-Luc Martínez, trata-se do “único museu do mundo, cuja entrada é uma obra de arte”. A pirâmide – completa ele – se tornou símbolo de um estabelecimento “que olha decididamente para o futuro”.

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel