Economia

Petróleo fecha em baixa, com dólar forte e com expectativa por reunião da Opep+


Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta sexta-feira, 26, em sessão marcada por um forte avanço do dólar perante rivais, o que torna a commodity mais cara para detentores de outras divisas, reduzindo a demanda. As atenções no mercado estão voltadas para a reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) na próxima semana. Os investidores especulam se haverá mudanças no acordo de cortes na produção.

O petróleo WTI com entrega prevista para abril recuou 3,20% (-US$ 2,03), a US$ 61,50 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). Na semana, o contrato mais líquido do WTI teve alta de 3,78%.

Já o Brent para maio fechou em queda de 2,56% nesta sexta (-US$ 1,69), cotado a US$ 64,42 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE), mas teve avanço semanal de 5,45%.

O forte avanço do dólar perante moedas rivais, em especial o euro, contribuiu para a queda da commodity nesta sexta. O principal evento para os mercados de petróleo é a reunião da Opep+ marcada para a próxima quinta-feira, 4 de março. O grupo havia planejado anteriormente aumentar a produção em cerca de 2 milhões de barris por dia no segundo trimestre, “mas há o risco de que o aumento dos preços do petróleo leve a um relaxamento mais rápido”, aponta a Capital Economics.

“Até agora, os membros da aliança têm cooperado e implementado os cortes de forma exemplar”, avalia o Commerzbank. De acordo com delegados da Opep+, o cumprimento do grupo com os cortes prometidos foi de 103% no último mês, ainda mais disciplinado do que em dezembro, quando a porcentagem ficou em 99%. A Opep alcançou até 108% de cumprimento de seus cortes prometidos graças a interrupções involuntárias de produção na Nigéria. “Acreditamos que os altos preços farão com que a Opep+ aumente sua produção em 500 mil barris por dia. Muito também dependerá da postura da Rússia, pois o país deseja aumentar ainda mais sua produção”, projeta o banco alemão.


+ Pastor é processado por orar pela morte de Paulo Gustavo
+ Vídeo: Aluno é flagrado fazendo sexo durante aula da UFSC
+ Ao preço de US$ 1.600 por kg, carne Ozaki é a mais cara do mundo



O Credit Suisse avalia o cenário como possível, com a Arábia Saudita trazendo de volta os cortes voluntários e Opep+ bombeando 500 mil barris a mais ao dia, com 1,5 milhão extras em abril. Pela procura, “globalmente, projetamos que a demanda por petróleo cresça cerca de 1,2 milhões de barris por dia em abril”, projeta o banco.

Nas notícias do setor, o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA avançou 4 na última semana, a 309, informou nesta sexta a Baker Hughes, companhia que presta serviços no setor.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Gabriel Medina torna-se alvo de sites de fofoca
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS

Tópicos

Petróleo