Economia

Petróleo fecha em alta após queda nos estoques maior do que a esperada

Os contratos futuros de petróleo encerraram o pregão desta quarta-feira, 31, em alta, após a divulgação de que a queda dos estoques da commodity nos Estados Unidos foi quatro vezes maior do que a esperada.

O petróleo WTI para entrega em setembro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex), avançou 0,91%, a US$ 58,58 o barril, enquanto o petróleo Brent para outubro, na Intercontinental Exchange (ICE), fechou com ganho de 0,65%, a US$ 65,05 o barril.

Pela manhã, o Departamento de Energia (DoE) dos EUA divulgou que os estoques de petróleo no país caíram 8,496 milhões de barris na semana encerrada em 26 de julho, para 436,545 milhões de barris. O recuo é quatro vezes maior do que o previsto por analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, de 2,1 milhões de barris. Já a taxa de utilização das refinarias caiu de 93,1% para 93,0% na semana passada, ante previsão de avanço a 93,9%.

A queda nos estoques, associada à ligeira queda na utilização de refinarias, pressiona a oferta de petróleo e, consequentemente, fortalece suas cotações.

Os ganhos foram contidos, no entanto, pelo dólar fortalecido nesta quarta-feira, o que torna commodities, como o petróleo, mais caras para detentores de outras divisas.

Para a Drillinginfo, o conflito entre americanos e iranianos não fez preço no mercado de petróleo no pregão. “Sem um conflito em grande escala com os iranianos, o mercado mostrou a tendência de minimizar as ações”, dizem analistas da empresa. / Com informações da Dow Jones Newswires.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Pandemia adia cirurgia e saúde de Schumacher piora
+ Telescópio Hubble é homenageado em moeda de ouro de 1 dólar
+ Tratamento desenvolvido no Brasil livra paciente do vírus HIV
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior

Tópicos

Petróleo