Geral

Petrobras inicia processo para arrendar terminal de regaseificação

A Petrobras começou, hoje (9), o processo de arrendamento do terminal de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL) da Bahia. O GNL é um gás natural transformado em líquido para ser transportado em um navio e que precisa ser gaseificado novamente para ser utilizado pelo consumidor.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

O arrendamento do terminal, em Salvador, e de seu gasoduto, faz parte de um termo de compromisso celebrado junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), em julho deste ano, e de uma estratégia da estatal petrolífera de melhorar sua alocação de capital e construir um ambiente favorável à entrada de novos investidores no setor de gás natural.

A primeira fase é a pré-qualificação das empresas interessadas em participar da licitação. O Terminal de Regaseificação de GNL da Bahia consiste em um píer tipo ilha para atracação de um navio transportador de gás liquefeito. A vazão máxima de regaseificação do terminal é de 20 milhões de metros cúbicos por dia.

O gasoduto integrante do terminal tem 45 quilômetros (km) de extensão e 28 polegadas de diâmetro, interligando dois pontos de entrega, a Estação Redutora de Pressão de São Francisco do Conde e a Estação de Controle de Vazão de São Sebastião do Passé.

Veja também

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea