Economia

Petrobras diz querer chegar a acordo com a ANP sobre tarifa de gás natural

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou nesta terça-feira, 30, que existe uma divergência entre a estatal e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) em relação ao valor da tarifa para transporte de gás natural que precisa ser resolvida para dar prosseguimento à licitação de espaço em gasodutos da empresa.

Segundo ele, a venda de parte da capacidade da Transportadora Brasileira Bolívia-Brasil (TBG) a terceiros depende de um entendimento entre a Petrobras e a ANP, e visa ajudar a quebrar o monopólio do gás no Brasil.

“Em relação à TBG, tem alguns problemas com a ANP. A tarifa de transporte deve ser mais baixa do que é, o que ajudaria a reduzir o preço de gás natural (no Brasil). A ANP discorda de nós e coloca a incerteza na compra do ativo, afinal, qual vai ser o preço do ativo?”, explicou ele. “Temos que resolver isso com o agente regulador”, completou o executivo.

Segundo ele, o acordo feito com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para abrir o mercado de gás no País está em pleno vigor, e ele diz que, pessoalmente, repudia o monopólio de maneira geral.

“Aprovamos um novo código de ética e repudiamos o poder do monopólio, queremos mercado funcionando em competição, queremos vender no mercado competitivo, mas não como agente dominante”, afirmou Castello Branco em webinar promovido pela Amcham Brasil.

Veja também

+ Neto de Elvis Presley é encontrado morto, diz site
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Cientistas localizam o centro do Sistema Solar — e advinhem, não é o Sol
+ Filho de David Beckham fica noivo de atriz filha de bilionário
+ Royal Enfield Interceptor 650 a moto mais vendida no Reino Unido
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior