Mundo

Pesquisadores observam pela primeira vez a resposta imunológica ao coronavírus

Pesquisadores observam pela primeira vez a resposta imunológica ao coronavírus

Autores do estudo dizem que é a primeira vez que especialistas mapeiam a resposta imune geral do corpo à nova doença - National Institutes of Health/AFP

Um grupo de pesquisadores da Austrália afirmou nesta terça-feira ter observado pela primeira vez a resposta imunológica do organismo ao covid-19, um avanço potencialmente decisivo na luta contra o vírus.

Os cientistas coletaram amostras de sangue de uma paciente infectada com o novo coronavírus e hospitalizada com sintomas moderados, de acordo com artigo publicado na revista Nature Medicine.

“Observamos uma resposta imunológica muito robusta que precedeu à recuperação clínica”, disse à AFP Katherine Kedzierska, do Instituto Peter Doherty de Infecções e Imunidade da Universidade de Melbourne.

Essa reação corporal ocorreu quando a paciente “ainda estava visivelmente mal”, mas “três dias depois já estava curada”, acrescentou.

Os pesquisadores lançaram uma corrida contra o tempo para encontrar uma vacina contra o novo coronavírus, cujo saldo global nesta terça-feira era de 180.000 infecções confirmadas e mais de 7.000 mortes.

Keszierska disse que a investigação de sua equipe representa “um passo importante para entender a recuperação ao covid-19”.

A cientista garantiu contar com resultados similares e “verificáveis” de pacientes também com sintomas moderados. “Agora podemos nos perguntar: qual é a diferença com pessoas (infectadas) que morrem?”

Kedzierska disse que essas descobertas têm duas aplicações práticas.

A primeira é que ajudará os virologistas a desenvolver uma vacina porque o objetivo da vacinação é replicar a resposta imune natural do corpo aos vírus.

A equipe de pesquisadores identificou quatro tipos de células imunológicas no sangue da paciente que se recuperou.

Segundo Kedzierska, são células “muito semelhantes às que vemos nos pacientes com gripe”.

Embora a gripe mate centenas de milhares de pessoas em todo o mundo a cada ano, existe uma vacina amplamente eficaz contra essa doença.

– “Marcadores” imunológicos –

A segunda aplicação deste estudo seria ajudar as autoridades de saúde a avaliar melhor quais pessoas são mais vulneráveis em futuros surtos.

Esses “marcadores” do sistema imunológico poderiam, assim, ajudar a prever com mais precisão quais pacientes desenvolverão sintomas moderados e quais correm o risco de morrer.

A maioria das mortes por covid-19 ocorre entre idosos ou com problemas de saúde pré-existentes, como doenças cardíacas e diabetes.

As crianças, por outro lado, não parecem apresentar sintomas ou são muito moderados. Kedzierska enfatizou a necessidade de mais pesquisas para encontrar uma explicação para essa particularidade, enquanto ressaltou que o sistema imunológico enfraquece com a idade.

Sharon Lewin, diretora do Instituto Doherty e uma das especialistas em doenças infecciosas mais conceituadas do mundo, disse à AFP que os resultados deste estudo são promissores.

“Isso mostra que o corpo pode produzir uma resposta imune muito positiva e poderosa contra o vírus, que está associada ao desaparecimento dos sintomas”, apontou.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Fundador da Ricardo Eletro e filha são presos em operação contra sonegação
+ Fotos íntimas de apresentadora italiana são vazadas em aplicativos de mensagens no Brasil
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Conheça os quatro tipos de carros híbridos e suas diferenças
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior