Geral

Pesquisadores fazem 1ª foto de raios múltiplos ‘para cima’ em SP

Em meio ao temporal que castigou a capital paulista na tarde do dia 20, uma quinta-feira, observadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em São Paulo, conseguiram registrar pela primeira vez no País uma ocorrência de raios múltiplos para cima, os chamados ascendentes. A imagem foi feita do Pico do Jaraguá, na zona norte, o ponto mais alto da cidade, a 1.135 metros de altitude.

No topo do monte, estão localizadas duas antenas usadas por três emissoras de televisão. Segundo o pesquisador Marcelo Saba, do Centro de Ciência do Sistema Terrestre (CTS), do Inpe, o fenômeno acontece porque estruturas altas terminam acumulando carga elétrica na ponta. Quando uma nuvem de tempestade passa por cima, a descarga elétrica termina ocorrendo em direção ao céu – em vez de ir para o solo, como é mais comum. “Já os raios convencionais, para o chão, se iniciam na nuvem”, explica.

Raios múltiplos para cima
Marcelo Saba/Inpe/Divulgação

Foi flagrado um total de quatro raios para cima em um intervalo de cerca de 20 minutos. Dois deles aconteceram ao mesmo tempo: evento que nunca havia sido registrado desde o início do monitoramento do fenômeno, iniciado há quatro anos. “Foi surpreendente”, diz Saba.

Para conseguir o registro, os pesquisadores se valem de câmeras capazes de produzir 20 mil imagens por segundo. Desde 2012, já foram registrados 110 raios ascendentes no Pico do Jaraguá e na Avenida Paulista, que também é alvo de monitoramento do instituto de pesquisa. Saba afirma que, ao contrário dos raios convencionais, esse tipo de descarga elétrica dificilmente representa risco às pessoas. “O raio ascendente sai de locais mais altos, onde não normalmente não há pessoas.”

Segundo o pesquisador, quem sofre com o fenômeno são as estruturas que recebem a descarga elétrica. “Essa torre, por exemplo, recebeu quatro descargas em questão de minutos. Em um prédio, esse mesmo número de ocorrência acontece a cada três, quatro anos”, diz. “A estrutura fica submetida a um estresse, uma vez que a frequência é muito superior ao normal.” Além de torres de telecomunicações, os raios ascendentes também atingem estruturas de distribuição e de produção de energia, como turbinas eólicas.

+ Briga de vizinhos termina com personal trainer morta a facadas no interior de SP

De acordo com Saba, os raios ascendentes também são característicos de tempestades violentas. O temporal em que foram registrados durou cerca de duas horas e provocou alagamentos, queda de árvores e a morte de dois homens. Na zona oeste, região mais castigada, choveu quase 50% de todo o volume esperado para o mês, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). Os ventos também chegaram a atingir 66,7 km/h.

Veja também

+ Quarta parcela do auxílio sai hoje (14) para os nascidos em agosto

+ Cunhado de Maradona morre de Covid-19 na Argentina

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

fenômeno raios SP