Economia

Pesquisa indica que 52% dos consumidores buscam produtos de proteína vegetal

Pesquisa realizada pela Archer Daniels Midland (ADM) junto ao Ibope DTM apontou que 52% dos consumidores adotam o estilo de vida flexitariano – pessoas que procuram, conscientemente, ingerir alimentos e/ou bebidas à base de proteína vegetal. Os resultados do estudo foram antecipados com exclusividade ao Broadcast Agro.

Pelo menos 5 em cada 10 entrevistados já consumiram produtos plant-based, 32% consumiriam novamente e 18% afirmaram consumir sempre ou de vez em quando, segundo a pesquisa. Os dados revelaram ainda que 45% nunca experimentaram produtos à base de proteína vegetal, mas 42% se interessam em experimentar, “o que indica grande potencial de criação de uma demanda maior vinda de futuros consumidores”, disse a ADM, em nota.

Em relação aos sanduíches à base de plantas, 29% dos consumidores já experimentaram, 16% consumiriam outra vez e 11% afirmaram consumir sempre ou de vez em quando. Entre aqueles que nunca experimentaram – 70% da amostra -, 65% relataram ter interesse em experimentar.

“Estamos trabalhando intensamente para estabelecer posições de liderança junto às principais áreas de crescimento, e o segmento de proteínas alternativas é um dos que mais crescem”, disse Roberto Ciciliano, presidente de Nutrição Humana Latam da ADM, no comunicado. O executivo destacou que a empresa tem, em seu portfólio, derivados de plantas, grãos, extratos botânicos, sabores e aromas que entregam “soluções de alta performance” aos clientes, de acordo com as demandas dos consumidores.

A etapa quantitativa da pesquisa teve 2 mil pessoas entrevistadas em julho deste ano. Durante a etapa qualitativa, que ocorreu no fim de julho, foram realizadas quatro discussões em painéis específicos nos quais os públicos foram separados por grupos de afinidade: veganos, vegetarianos, flexitarianos e rejeitadores de produtos derivados de plantas. Houve ainda uma segunda etapa quantitativa para identificar momentos de consumo.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Segundo a gerente de Marketing de Nutrição Humana Latam da ADM, Alessandra Mattar, à frente da pesquisa, os entrevistados de perfil flexitariano revelaram que existe o desejo de consumir produtos de base vegetal semelhantes às versões em proteína animal, mas ponderaram o risco de frustração que pode influenciar o processo de decisão e escolha. “Então, se não é possível ter um produto de fato semelhante, muitos flexitarianos preferem aqueles que não se proponham a imitar, mas que tenham sua própria identidade de sabor, textura e, até mesmo, que sejam originais inclusive em seus nomes”, disse Alessandra.

A pesquisa revelou, ainda, que o principal momento de consumo dos substitutos cárneos derivados de plantas é o almoço, seguido pelo jantar. “Ficou claro que os consumidores estão interessados não somente no icônico hambúrguer, mas também estão abertos a novas opções, como os petiscos de base vegetal pré-prontos, trazendo uma clara associação da busca por conveniência com uma alimentação indulgente e mais equilibrada”, disse a gerente de Consumer Insights do Ibope DTM responsável pela condução da pesquisa, Patricia Conde, na nota.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel