Mundo

Peru descarta aulas presenciais e aposta em educação à distância para 2020

Peru descarta aulas presenciais e aposta em educação à distância para 2020

Funcionários municipais de limpeza higienizam e desinfetam arredores do mercado Caquetá, no norte de Lima, Peru, em 30 de abril de 2020, para conter a propagação do novo coronavírus - AFP

O presidente peruano, Martín Vizcarra, descartou nesta terça-feira (5) a possibilidade de faculdades e universidades poderem recomeçar as aulas presenciais ainda este ano por causa da pandemia do novo coronavírus no país, o segundo com maior número de infectados da América Latina depois do Brasil.

“O que está absolutamente claro é que, a curto e médio prazo, as aulas não serão presenciais, elas ainda acontecerão à distância”, disse Vizcarra depois de revelar que o número de infecções no país é superior a 51.100, e o número de mortes é próximo a 1.500.

Vizcarra reiterou que a educação de crianças em idade escolar e universitários deve ser feita através de aulas virtuais na internet, rádio e televisão.

“Os estudantes técnicos, universitários, nos níveis iniciais, primários e secundários, terão que fazer aulas à distância”, acrescentou ele durante uma coletiva de imprensa virtual.

O Peru está em uma situação de emergência de saúde desde 15 de março, e a população ficará em confinamento obrigatório até 10 de maio. Enquanto o comércio está fechado, com execeção dos considerados essenciais.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

A suspensão das aulas foi uma das primeiras medidas adotadas pelo Peru em 12 de março, uma semana após o primeiro caso do vírus.

A quarentena deixou quatro em cada dez peruanos sem renda, o que levou a pedidos para reduzir as taxas escolares por causa do risco de não pagamento dos alunos por causa da falta de recursos financeiros.

Vizcarra foi favorável a essa redução, alegando que a educação a distância teria um custo menor.

“Nesse cenário, tiveram muitas reclamações dos pais. A partir de uma análise simples, percebeu-se que esse serviço gera menos custos. Portanto, deve haver uma redução dos valores”, afirmou o presidente.

O governo até incentiva os pais a retirar seus filhos das escolas particulares onde estudam para matriculá-los em escolas públicas.

Várias escolas particulares começaram a reduzir seus valores para se adaptar ao modelo de “educação presencial”.

As autoridades lançaram na televisão um programa chamado “Eu aprendo em casa”.

Em meados de abril, o governo desistiu de um plano que esperava retomar as aulas presenciais em 4 de maio já que houve um aumento de casos e ao risco de colapso do sistema de saúde.

A ensino online e à distância começou gradativamente a partir de abril, em escolas e universidades públicas e privadas.

Para que os alunos possam estudar virtualmente, o Ministério da Educação comprou 719.000 tablets com internet para os que moram em uma zona rural e 124.000 para estudantes que moram na cidade.

Veja também

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Jack Daniel’s com maçã começa a ser vendido no Brasil

+ No Twitter, aparecem fotos do navio que transportou nitrato de amônio para Beirute

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves mostra o novo corpo e web critica: ‘Tá deformada’

+ Enio Mainardi, publicitário e pai de Diogo Mainardi, morre de covid-19

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?