Perigo iminente

Crédito: Kevin David / A7 Press / Agencia O Globo
Kevin David / A7 Press / Agencia O Globo

Os 12 casos registrados de febre amarela em São Paulo desde dezembro, com seis mortes, e a identificação de epizootias (surtos em macacos mortos) em Antonina, litoral do Paraná, na segunda-feira 21, além do primeiro caso em um ser humano, na terça-feira, 29, estão levando renomados epidemiologistas a considerarem que o Brasil está no início da terceira onda de epidemia da doença. A primeira ocorreu entre 2016/2017 (778 casos) e continuou em 2017/2018 (1.376). Cabe lembrar que a transmissão da febre amarela acontece entre dezembro e maio, principalmente. Não perca o interesse pela vacina!

Brasil
Super staff

O time de salvatagem em torno de Flávio Bolsonaro não para de crescer. Uma das recentes incorporações seria a de Nizan Guanaes. O publicitário teria sido chamado a opinar. O senador eleito andou submerso das aparições públicas e postagens nas redes sociais por dias, possivelmente por ainda não ter encontrado uma forma de convencer o público sobre as estranhas movimentações bancárias de seu ex-motorista.

Tragédia em Minas
Contracheque ameaçado

Quando a barragem de Brumadinho rompeu, provocando grandes perdas humanas e ambientais, a Vale se preparava para discutir a participação nos lucros e resultados com os 12 sindicatos que representam boa parte de seus 51 mil empregados. A conversa era para definir as regras do rateio da grana a ser creditada no primeiro trimestre de 2019. Com justa apreensão, os trabalhadores temem que a tragédia faça com que percam a cobiçada participação em lucros e resultados em 2020. Não deveriam, afinal o método de construção das barragens de rejeitos é decido pela diretoria da Vale.

Carga tributária
Aliás…

… a Vale tem capacidade nominal para processar 450 milhões de toneladas de minério de ferro. Porém, estava produzindo 400 milhões de toneladas para evitar uma queda nos preços. A redução de mais 40 milhões de toneladas anuais pela desativação de barragens afetará os municípios, que perderão a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), mas não a Vale. É bom lembrar, na quarta-feira 30, ocorreu uma elevação de 5,6% nos preços do minério por causa da expectativa do anúncio de regras mundiais mais rígidas para o segmento.

Economia
Sem sinal

CARL DE SOUZA

Na reunião de terça-feira 29, com o ministro Paulo Guedes, todos os celulares dos executivos integrantes do Instituto Aço Brasil foram entregues a uma recepcionista, a fim de impedir qualquer registro ou vazamento. A idéia foi dos próprios visitantes. O ministro demonstrou ter gostado da iniciativa. Talvez ele faça disso uma praxe nos próximos encontros com entidades empresariais.

Trabalho
Chega aí, companheiro

Onyx Lorenzoni sinalizou para as centrais sindicais que o governo em breve abrirá conversações com os representantes dos trabalhadores. As entidades pediram audiência a Jair Bolsonaro em 2 de janeiro e, até semana passada, não tinham recebido nenhum sinal de que seriam ouvidas. Mas com a proximidade do envio do projeto de reforma da Previdência ao Legislativo, o Palácio do Planalto mostra interesse em azeitar as relações. Os sindicalistas se mobilizam em paralelo para atuar na Câmara dos Deputados e no Senado, onde a parada vai ser decidida.

INSS
Benefício suspeito

NELSON ALMEIDA

Servidores que trabalham na Comissão da Anistia, agora ligada ao Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, preparam um levantamento sobre a indenização mensal recebida por Lula. O governo quer saber como foram feitas as contas que resultaram em um pagamento ao ex-presidente de R$ 52 mil pelo INSS. Segundo uma verificação inicial, a expressiva aposentadoria teria sido fruto de decisão da própria comissão, somada a um benefício especial concedida pelo instituto.

Engenheiros
Mais Brumadinho

No Ministério do Desenvolvimento Regional, o plano é anunciar na semana que vem um reforço na equipe de engenheiros aptos a realizar vistorias em barragens com dano potencial alto. Serão 824. A estratégia que está sendo traçada envolverá a Agência Nacional de Águas (ANA), a Agência Nacional de Mineração (ANM) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Mãos à obra, pessoal.

Legislativo
Autopromoção legislativa

Os gastos com a divulgação da atividade parlamentar lideraram as despesas dos deputados em 2018. Foram
R$ 50,1 milhões empenhados para a promoção própria, segundo os dados da Câmara. Depois aparecem as despesas com passagens aéreas (R$ 43 milhões). No total, suas Excelências consumiram R$ 201 milhões da cota parlamentar, sem contar salários, assessores e outras mordomias. Entre os mais gastões, Arlindo Chinaglia (PT-SP), Gorete Pereira (PR-CE) e Jhonathan de Jesus (PRB-RR).

Imóveis
Venda sindical

Diante da crise financeira que causou a redução de 177 para 18 empregados
(o problema aflige outras centrais de trabalhadores), a Força Sindical colocou à venda sua sede, em São Paulo. A Caixa Econômica Federal será chamada para avaliar o edifício. A expectativa é atingir algo próximo de R$ 13 milhões. Pelo mesmo motivo também serão negociadas as sedes de Santa Catarina, Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte.]

Estratégia
Promotores desconfiados
A postura da Vale em dizer que irá desativar suas barragens em Minas Gerais e parar a atividade mineradora gerou desconfiança no MP. A Vale concentra atividades no Pará. Com a paralisação nas cidades mineiras, o preço do minério de ferro pode subir. Ela lucraria e compraria mineradoras no estado. Pareceu uma medida para tentar se livrar de um problemão sem perder R$ 1 de receita.

Agricultura
Duplo ganho

PeopleImages

Cientistas da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e da Embrapa estão testando uma bactéria (Lactobacillus rhamnosus) na produção de queijo de cabra. Os resultados são animadores. Foram identificados efeitos anti-inflamatórios e melhorias no funcionamento intestinal de humanos. Os especialistas das duas instituições esperam que, no futuro, a experiência ajude a reduzir a dependência do País de fermentos importados.

Cultura
Aço & Arte

Divulgação

O pintor Carlos Bracher montou uma parceria inédita com a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). A partir deste mês, a companhia vai apoiar uma série de obras que ele criará inspirado em Belo Horizonte.