Cultura

Paulo Gustavo estreia nova temporada de ‘A Vila’

Paulo Gustavo é realmente um artista incansável, não tem parada, sai um de projeto e já engata outro. Agora chegou a vez do ator e humorista iniciar a terceira temporada do programa A Vila, estreia nesta segunda, às 22h30, no Multishow. Sobre esses e projeto e outros que virão, Paulo respondeu umas perguntas da coluna. Veja a seguir:

.

Você que cria seus personagens? Tem diferença fazer um personagem que você tenha criado ou que outros tenham criado?

Sim, eu que crio meus personagens. Pelo menos assim foi nesses meus 14 anos de carreira, com todos os de 220 Volts, a Dona Hermínia, o Valdomiro Lacerda no Vai que Cola, Rique de A Vila. Claro que já fiz outros trabalhos e participações em outros lugares, mas geralmente coisas muito pontuais e rápidas. Os personagens que ficam são sempre eu que crio, vejo isso como característica comediante.

Como será essa nova temporada de A Vila?

De novidades no elenco, além de ter o Lucas Veloso, tem a Heloísa Perissé, que é minha amiga há anos e é uma honra contracenar com ela. E é o mesmo programa da temporada passada, só que agora vivendo novas histórias. Sempre com Rique e a Violeta buscando abrir um negócio novo e se virando para conseguir grana. Nessa temporada, o Seu Lupércio e a Eleonora vão tentar tirar o trailer do meu personagem, porque ele não paga nem condomínio nem IPTU. O seu Lupércio é o dono da vila e a Eleonora casou com ele. Então, para não perdê-lo e quitar o IPTU, meu personagem cria maneiras de ganhar dinheiro.

Como administra sua agenda? Está em tantos projetos, TV, cinema, show, vida pessoal?

Também não sei como eu administro, mas administro. Sempre dá certo. Eu estou escrevendo Minha Mãe É uma Peça 3 para o cinema – prestes a começar a filmar -, gravando Vai que Cola, fazendo show com a minha mãe pelo Brasil. E, no meio disso tudo, ainda vou fazer duas viagens, uma pra Los Angeles e outra pra Portugal. E ainda tem que administrar casa, marido. Minha vida é muito corrida, mas no fim dá tudo certo. Seu eu pensar em tudo que eu faço, eu pifo, eu gripo. Então prefiro ir deixando a vida me levar.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.