Esportes

Patrocinadora do Chelsea finaliza vínculo e pede retirada de marca da camisa

Crédito: Reprodução Instagram

O Chelsea pode ter sido o clube mais afetado pelo conflito entre Rússia e Ucrânia, até o momento. Propriedade do russo Roman Abramovich, o clube inglês teve o patrocínio com a fornecedora de internet móvel “Three”, do Reino Unido, interrompido pela empresa.

A medida ocorreu após Abramovich sofrer sanções do governo britânico por ligações ao governo do presidente da Rússia, Vladimir Putin.

A marca estampava a camisa do Chelsea desde 2020 no espaço mais nobre do uniforme logo abaixo do escudo na parte frontal. O anúncio desta quinta-feira (10) ocorre, para a infelicidade do clube inglês, justamente na data em que o clube completa 117 anos de história.

“À luz das sanções recentemente anunciadas pelo governo, solicitamos que o Chelsea Football Club suspendesse temporariamente nosso patrocínio ao clube, incluindo a remoção de nossa marca das camisas e do estádio até novo aviso”, disse um representante da empresa.

Sobre as sanções ao proprietário, Roman Abramovich, o Chelsea se posicionou por meio de nota oficial. Como o russo detém a totalidade da porcentagem do clube inglês, os blues seriam afetados pelas medidas do Reino Unido. No entanto, o governo emitiu uma licença especial para que a equipe continue suas atividades.

Leia a nota na íntegra:

Cumpriremos nossos jogos de equipes masculinas e femininas hoje (10) contra Norwich e West Ham, respectivamente, e pretendemos nos envolver em discussões com o governo do Reino Unido sobre o escopo da licença. Isso incluirá a solicitação de permissão para que a licença seja alterada para permitir que o Clube opere o mais normal possível. Também buscaremos orientação do governo do Reino Unido sobre o impacto dessas medidas na Chelsea Foundation e seu importante trabalho em nossas comunidades.

O clube atualizará ainda mais quando for apropriado fazê-lo.