Passando a boiada na Câmara dos Deputados

Crédito: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

(Crédito: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)


Ricardo Salles já não está mais em Brasília, mas fez escola. Enquanto todo mundo presta atenção na CPI da Covid, a Câmara dos Deputados vai passando a boiada.

Na tarde de hoje, de surpresa e na surdina, a casa aprovou um projeto que modifica a Lei da Ficha Limpa, mantendo elegíveis políticos que cometeram atos de improbidade intencionalmente, caso a punição aplicada a eles seja apenas de multa.

Dito de outra forma, a Excrescência, digo, Excelência planejou lesar o bem público e conseguiu lesar o bem público, mas se a picaretagem lhe rendeu apenas uma multa, ele continua podendo participar de eleições – para fazer tudo de novo, supomos.

Só três partidos recomendaram voto contra: Novo, Podemos e PSOL. Todos os outros acharam boa a ideia.

Lembremos que na semana passada os deputados já haviam aprovado outro projeto que os beneficia, alterando a Lei da Improbidade Administrativa.

Nem sou dos críticos mais acerbos dessa mudança. Acho mesmo que a legislação atual é punitivista demais, penalizando gestores honestos e causando o chamado “apagão das canetas” – quando ninguém mais na administração quer assinar papel algum, por medo de passar as próximas décadas respondendo a processos.

Mas o projeto aprovado tem um artigo vergonhoso. Ele livra o político de punição quando mudar de cargo. Vai criar uma dinâmica de “fuga para a frente”: o político pilantra passa de vereador a deputado, de deputado a prefeito, de prefeito a deputado federal, e assim por diante, sempre para escapar da lei. Sempre elegível e livre para roubar.

Vejam que há método nessas votações: todas operam no sentido de tornar cada vez mais difícil que o mau político seja afastado da vida pública, por outra via que não seja o voto.

Voto? Mas é claro que também aí vai haver mudança. Ficou pronto o relatório que propõe a criação de um novo Código Eleitoral. Ele tem quase 900 artigos, mas a intenção é aprovar o texto nas próximas semanas, sem que haja tempo para muitos questionamentos fora do Congresso.

Entre as propostas está a de reduzir o prazo de inelegibilidade e a de livrar os partidos da responsabilidade de zelar pela lisura das contas de campanha, transferindo a prestação de contas para consultorias.

Num intervalo de poucas semanas, tudo pode ficar muito suave para o sujeito que decidiu ganhar a vida fazendo um uso desonesto dos cargos públicos. Basta que a boiada passe inteira.

————————————————–

Passando a boiada 2 – Por falar em uso de dinheiro público em benefício próprio, o presidente participou nesta quinta-feira de mais um evento oficial que, de repente, se transformou em showmício, com direito a jingle com exatação do seu nome. Desta vez foi no Rio Grande do Norte. Cabe à PGR fechar essa porteira, mas ela finge que nada acontece, enquanto Bolsonaro pratica alegremente crimes de responsabilidade.



Um outro artigo é duvidoso. Diz que improbidade depende de dolo, de querer causar um dano ou fazer a coisa errada

Veja também
+ Corpo de jovem desaparecido é encontrado em caçamba de lixo
+ Corpo de Gabby Petito é encontrado, diz site; legista afirma que foi homicídio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Vídeo: família é flagrada colocando cabelo na comida para não pagar a conta
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Instituto Gabriel Medina fecha portas em Maresias
+ Theo Becker comemora saída de Sônia Abrão da RedeTV!
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.