O líder trabalhista, Keir Starmer, favorito para ser o novo primeiro-ministro britânico depois das eleições de 4 de julho, descreveu o crescimento econômico como uma prioridade nesta quinta-feira (13) em Manchester, na apresentação do seu programa eleitoral.

“A criação de riqueza é a nossa prioridade número um, o crescimento econômico é o nosso principal objetivo”, disse o líder do Partido Trabalhista no seu discurso.

Starmer, de 61 anos, que se voltou para posições centristas após a derrota do seu antecessor no Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, nas eleições de 2019, tem uma clara vantagem sobre o seu rival, o atual primeiro-ministro conservador, Rishi Sunak.

“Mudei o Partido Trabalhista e estou pronto para mudar o Reino Unido. Podemos relançar as bases da estabilidade e contar com elas para reconstruir o país”, acrescentou Starmer nesta quinta-feira.

As últimas pesquisas colocam Starmer com 45% das intenções de voto, bem à frente de Sunak, que teria 20%, o que indica que o líder do Partido Trabalhista pode pôr fim a 14 anos de governo conservador.

“Os primeiros passos do Partido Trabalhista rumo à mudança são uma reparação imediata dos danos causados por 14 anos de caos e declínio conservador”, disse Starmer, que reconheceu, no entanto, que “não podemos fingir que tudo se resolverá da noite para o dia”.

– “Estabilidade econômica” –

O líder trabalhista defendeu no seu discurso que os seus primeiros passos, caso chegue ao governo, “trarão estabilidade econômica, reduzirão os tempos e as listas de espera do serviço nacional de saúde e será lançado um novo comando de segurança fronteiriça”, acrescentou.

Starmer tentou tranquilizar o eleitorado com esta última promessa sobre o problema da chegada de imigrantes irregulares através do Canal da Mancha, que separa a França e o Reino Unido.

O líder trabalhista quer abandonar o controverso plano do governo conservador de enviar migrantes irregulares para Ruanda, embora tenha insistido que quer reduzir o número de chegadas ao Reino Unido.

Por outro lado, o Partido Trabalhista reafirmaria o apoio britânico à Ucrânia contra a Rússia em caso de vitória nas eleições e também acredita que o reconhecimento do Estado palestino deve ser buscado como parte de um processo de paz.

Starmer criticou no seu discurso desta quinta-feira o “caos” deixado por 14 anos de governos conservadores, marcados por grande instabilidade política e econômica, com a saída do Reino Unido da União Europeia e de cinco primeiros-ministros nos seus 14 anos de governo, além do aumento da inflação e do custo de vida.

– “Plano confiável a longo prazo” –

“Não se enganem, os desafios não desaparecerão da noite para o dia. Se os trabalhistas vencerem, não teremos uma varinha mágica. Mas o que temos, o que este programa representa, é um plano confiável a longo prazo”, defendeu.

Questionado por um ativista ambiental no início do seu discurso, rapidamente retirado da sala, Keir Starmer reagiu apontando que o Partido Trabalhista “deixou de ser um partido de protesto” e se tornou um “partido de governo”.

De acordo com o programa apresentado por Starmer, o Partido Trabalhista quer criar um fundo dedicado aos investimentos nas indústrias do futuro, além de um órgão encarregado de financiar a transição para as energias verdes. O programa também prevê a contratação de 6,5 mil novos professores.

A apresentação do programa eleitoral do Partido Trabalhista ocorreu dois dias depois de os conservadores terem prometido aos eleitores cortes de impostos.

Apesar da liderança considerável do Partido Trabalhista nas pesquisas, Starmer enfrenta as persistentes acusações dos conservadores de que o seu partido gastará de forma imprudente o dinheiro público e aumentará os impostos.

bur-psr/mb/aa/fp