Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

Há alguns jargões que funcionam e outros, não. Por exemplo: todo Poder emana do povo e em seu nome será exercido. Tá bom! Me engana que eu gosto. Mas há um, bastante correto e de fácil comprovação: cada povo tem os políticos que merece. Ou: o Congresso é o reflexo do povo (no caso, dos eleitores).

Pessoal, quanto mais despolitizada uma sociedade, mais ignorante e mais leniente com desmandos e malfeitos, pior será a qualidade dos governantes. Por quê? Ora, essa gente não vem de Marte nem cai do céu. Somos nós que os colocamos onde estão. E se não somos diferentes, por que eles deveriam ser?

Boris Johnson, o agora ex-primeiro-ministro do Reino Unido, não resistiu às pressões e pediu o boné. Fez como o zero dois, hehe. Pediu pra sair! O motivo foi um (mais um!) rumoroso caso de assédio sexual, envolvendo um alto membro do governo – e do Partido Conservador -, muito próximo ao descabelado inglês.

O moço, segundo apurado e noticiado na imprensa britânica, apalpou dois rapazes em um clube noturno de Londres. Desde então, o premiê fez ‘cara de paisagem’ e deixou, ‘a la Zeca Pagodinho’, a vida o levar. Mas cerca de 60 membros do governo, não. Pediram demissão, causando enorme estrago na imagem do partido.

Bem, a despeito da renúncia do primeiro-ministro, tudo vai muito bem, obrigado, nas terras da Rainha. A moeda não sofreu nenhum tombo, a bolsa não desabou e todo mundo vai assistir ao futebol, comer ‘fish and chips’ e se entupir de cerveja normalmente em mais uma ensolarada noite de verão (o sol irá se pôr às 21:08).

Como? Por quê? Porque é assim que funciona o Parlamentarismo, sistema de governo que insistimos em menosprezar, ou melhor, desprezar. Aliás, dentre as maiores democracias do mundo (acima de 200 milhões de habitantes), só Brasil e Estados Unidos ainda mantêm o sistema presidencialista e todas as suas inúmeras e irremediáveis mazelas.

Outra questão que salta aos olhos é o rigor, ainda que certa forma hipócrita, com que os súditos de Buckingham tratam seus políticos. Por lá, escreveu, não leu, o pau comeu. Não tem essa de mito ou papai e mamãe, não. E ai do governante que se atrever a não se justificar publicamente, como fez Boris Johnson.

Vejam o caso do ex-presidente da Caixa, simplesmente o maior banco estatal do País, Pedro Guimarães. O Don Juan tupiniquim foi denunciado por dezenas de funcionárias por assédio sexual. O que disse a respeito o chefe da nação, Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto? Alguma palavra de condenação ou mesmo de solidariedade?

Corram os olhos no título deste texto. Sim, o Brasil poderia aprender muito com tudo isso, mas não vai. Nossos políticos continuarão roubando, assediando, matando, ‘sem medo de ser feliz’, como dizia um antigo slogan de campanha do PT. E nós, os eleitores, em grande parte, continuaremos, como os ingleses, súditos domesticados. Mas não de reis e rainhas, e sim de Bolsonaros, Lulas e afins. Lastimável.