Esportes

Paraná vence, afunda o Oeste na lanterna e encosta no G-4 da Série B

O Paraná quebrou um jejum de sete jogos sem vitória na Série B do Campeonato Brasileiro ao derrotar o Oeste pelo placar de 4 a 0 na noite desta segunda-feira, no estádio Durival Britto, pela 18ª rodada. De quebra, o time paranaense se aproximou do G-4 da tabela.

Com o resultado, o Paraná subiu para a quinta posição, com os mesmos 28 pontos do Juventude, quarto colocado. O Oeste, por outro lado, foi para o nono jogo sem vitória e continuou na lanterna, com sete. Primeira time fora da zona da degola, o Náutico tem 19.

O primeiro tempo foi de amplo domínio do Paraná. De técnico novo – Roberto Cavalo retornou – e com muitos estreantes, a exemplo de Luanderson e Tiago Alves, o Oeste foi sufocado pelo adversário desde o começo, tanto que o clube tricolor abriu o placar aos seis minutos. Após cobrança de escanteio de Renan Bressan, a bola ficou viva dentro da área. Salazar, por baixo, empurrou para o fundo das redes.

O Oeste até tentou responder no talento de Mazinho, que não estava com o pé afinado. Enquanto que o Paraná continuou avançando com extrema facilidade. O time da casa quase ampliou com Bruno Gomes. O atacante recebeu cruzamento de Jean Victor e cabeceou no travessão.

Em vantagem, o Paraná se acomodou com o resultado e pouco produziu dos 25 minutos para frente. Com isso, acabou recusando e marcando atrás da linha do meio de campo, o que dificultou em muito a saída de bola do Oeste, que seguiu errando com frequência. A equipe paulista sequer ameaçou o gol de Marcos e ainda viu Renan Bressan jogar uma bola no travessão.

O Oeste voltou mais ligado para o segundo tempo, chegou a estar melhor do que o Paraná, mas o bom momento durou pouco. Em um erro em cobrança de lateral do time paulista, Andrey ficou com a bola e puxou contra ataque. Ele acionou Bruno Gomes, que buscou Paulo Henrique em velocidade. O lateral invadiu a área e chutou cruzado para fazer 2 a 0.

O gol foi suficiente para o Oeste sentir o momento ruim. O time paulista, a partir daí, assistiu o Paraná jogar. Desta vez, o time da casa resolveu liquidar a fatura. Aos 24 minutos, Andrey recebeu em boa posição e chutou para a defesa de Caíque Sá. Na sobra, Bruno Gomes só teve o trabalho de empurrar.

E não parou por aí. Aos 29, o Paraná fez mais um. Bruno Gomes recebeu nas costas da defesa e chutou rasteiro para ampliar. Com a vitória confirmada, o time paranaense se poupou e administrou o resultado para confirmar o triunfo.

Na próxima rodada, o Paraná enfrenta o Cruzeiro na sexta-feira, às 21h30, no estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG). No sábado, às 16h30, o Oeste recebe o Sampaio Corrêa na Arena Barueri, em Barueri (SP).

FICHA TÉCNICA:

PARANÁ 4 x 0 OESTE

PARANÁ – Marcos; Paulo Henrique, Salazar, Hurtado e Jean Victor (Juninho); Jhony Douglas, Higor Meritão (Karl), Renan Bressan (Guilherme Biteco) e Thiago Alves; Andrey (Vitinho Mesquita) e Bruno Gomes (Léo Castro). Técnico: Allan Aal.

OESTE – Caíque França; Luanderson, Caetano (Kauã) e Tiago Alves; Éder Sciola, Nilton, Diogo (Bruno Miguel) e Orinho (Rael); Léo Ceará, Madson (Ramon) e Mazinho. Técnico: Roberto Cavalo.

GOLS – Salazar, aos 6 minutos do primeiro tempo. Paulo Henrique, aos 14, e Bruno Gomes, aos 24 e aos 29 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Bruno Gomes, Higor Meritão e Jean Victor (Paraná); Diogo (Oeste).

ÁRBITRO – Zandick Gondim Alves Junior (RN).

RENDA E PÚBLICO – Jogo sem torcida.

LOCAL – Estádio Durival Britto, em Curitiba (PR).

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel