Mundo

Paraguai supera 1.000 casos de coronavírus

Paraguai supera 1.000 casos de coronavírus

Um homem carrega kits com suprimentos distribuídos por militares em uma área de baixa renda em Assunção, em 20 de maio de 2020, em meio à pandemia de coronavírus. - AFP

O Paraguai superou nesta terça-feira os 1.000 casos de COVID-19, 84 dias depois de decretar a quarentena sanitária, anunciou o ministro da Saúde, Julio Mazzoleni.

Com os 18 novos casos registrados nesta terça-feira, o país sul-americano totaliza 1.013 casos desde o primeiro resultado positivo detectado no sábado, 7 de março, afirmou o ministro.

Em seu relatório diário, Mazzoleni destacou que 15 dos 18 casos são de pessoas que vieram do exterior e os três restantes de contatos com pacientes com COVID-19.

No Paraguai, há 10 pacientes hospitalizados pela COVID-19, dois deles em terapia intensiva.

“Havia mais 10 recuperados, elevando o número para 498”, disse o ministro.

O número de mortos chega a 11, o último ocorrido há um mês, de uma mulher de 92 anos que tinha uma doença anterior.

O ministro explicou que, a princípio, a curva de casos por dia era de 25, mas que com a chegada maciça de repatriados do Brasil desde 1º de maio, os números aumentaram exponencialmente.

“A maioria dos pacientes ainda está dentro dos abrigos do governo”, informou.

São cerca de cinquenta abrigos e uma dúzia de hotéis para recém-chegados por uma quarentena de 14 dias.

São unidades militares e estabelecimentos estaduais, além de hotéis que contêm em média 3.000 pessoas, 85% desempregados vindos de São Paulo e Buenos Aires.

O governo espera tráfego de mais de 25.000 retornados nas próximas semanas, disse o ministro de Relações Internacionais, Federico González, à AFP.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior