Geral

Paraguai não está preparado para enfrentar o PCC, diz especialista

Embora conviva com a presença do Primeiro Comando da Capital (PCC) em seu território nos últimos anos, o Paraguai ainda não está preparado para as ações da facção e a fuga dos 75 presos, ocorrida neste domingo, 19, é mais um desafio para o país vizinho. A avaliação é do pesquisador Bruno Paes Manso, membro do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP).

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

“No Paraguai, tudo é novidade. A presença do PCC é novidade, assim como as estratégias, os grandes subornos. E isso abre brechas”, diz.

Segundo Paes Manso, coautor do livro A Guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil, a articulação do PCC para realizar suas atividades teve impacto no país. De acordo com ele, embora tivesse venda de drogas em seu território, o Paraguai não registrava a atuação de organizações criminosas do porte da facção brasileira.

“Apesar de ser um país importante para a maconha e de passagem de cocaína da Bolívia, a venda de drogas sempre foi muito orgânica. O PCC chega de forma muito truculenta, com outra relação no mercado de drogas e com uma estratégia muito agressiva de dominar os presídios para assustar o Paraguai.”

Aumento

O pesquisador explica que a escalada para o mercado internacional ocorre em meados de 2006, quando Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, já consolidado na liderança da facção, leva a cabo a estratégia de ingressar na venda da droga pelo atacado. Para isso, faz contatos com criminosos no Paraguai e na Bolívia.

A organização criminosa se fortalece em 2016, ano em que o então comandante do tráfico local, Jorge Toumani Rafaat, o “rei da fronteira”, é executado pelo PCC. O crime ocorre em Pedro Juan Caballero. “Os integrantes vão sendo presos no Paraguai com frequência e começaram a dominar os presídios paraguaios, porque esse é o mecanismo com que eles trabalham.”

O especialista avalia que o governo paraguaio vai precisar, a partir do impacto desse caso, desenvolver estratégias de segurança pública. “O PCC aprendeu a crescer e a ser forte com os seus chefes presos. Mas a fuga é muito considerada. Quem foge ganha respeito e uma aura de mito. E o lema do PCC é paz, justiça e liberdade.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea