Economia

Para sair da crise do Brexit, Partido Trabalhista opta por neutralidade

Para sair da crise do Brexit, Partido Trabalhista opta por neutralidade

Jeremy Corbyn (C) passa em frente a uma militante anti-Brexit em Brighton (Reino Unido), 22 de setembro de 2019 - AFP

Em um esforço para superar suas divisões internas sobre o Brexit, o Partido Trabalhista Britânico (oposição) votou nesta segunda-feira (23) em seu congresso anual pela estratégia de neutralidade definida por seu líder, Jeremy Corbyn, que, contrariando as expectativas, saiu do encontro fortalecido.

Reunidos em Brighton, no sul da Inglaterra, os militantes afiliados votaram em um ambiente de caos três moções divergentes sobre o Brexit, apresentadas no dia anterior em meio à incapacidade de acordo sobre uma proposta unitária.

Uma delas, defendida por várias seções regionais, estabelecia que o Partido Trabalhista deveria “refletir a visão esmagadora de seus membros e eleitores que desejam permanecer na UE”. “Portanto, o Partido Trabalhista fará uma campanha enérgica a favor de uma consulta popular e de permanecer na UE no referido referendo”.

Outra, apoiada pela liderança do partido, propôs deixar a decisão a ser tomada após algumas incertas eleições antecipadas que, no momento, ainda serão convocadas”, através de uma conferência especial de um dia, após a escolha de um governo trabalhista”.

A última, defendida pelos grandes sindicatos, prometeu um segundo referendo “sobre um acordo fechado com a UE que permita às pessoas decidir entre uma opção de saída confiável e a permanência” no bloco. No entanto, como Corbyn defendeu nos últimos dias, o Partido Trabalhista não faria campanha por nenhuma dessas opções, mantendo-se neutro.

Contrariando aqueles que previram que Corbyn não seria autorizado pelas bases e pressionado a tomar uma posição, a opção de neutralidade foi imposta.

A votação, no entanto, foi marcada por uma disputa sobre a forma como deveria ser realizada: muitos militantes solicitaram que fosse feita com cédulas, mas finalmente se impôs a opção da mão levantada, deixando claras as tensões internas.

– “Afastem-se” se discordam de Corbyn –

A crise de identidade do trabalhismo, principal força de oposição do país, se intensificou à medida que se aproxima a nova data prevista para o Brexit, em 31 de outubro, e diante da perspectiva do fracasso em chegar a um acordo com Bruxelas que supere a oposição do parlamento britânico.

As pesquisas de opinião mostram que os esforços de Corbyn para unir as alas eurocética e pró-europeia do partido, atrasando uma decisão sobre o Brexit ou deixando-a nas mãos dos eleitores, levaram a uma perda dramática de popularidade

Duas pesquisas publicadas neste fim de semana colocam o Partido Trabalhista 15 pontos percentuais abaixo do Partido Conservador do primeiro-ministro Boris Johnson, e corre o risco de perder o segundo lugar para o Partido Liberal-Democrata, centrista e abertamente pró-europeu.

Alguns dos colaboradores mais próximos de Corbyn insistem que são membros de um partido fundamentalmente europeu com a obrigação de reverter o resultado do referendo de 2016, em que 52% dos britânicos votaram a favor do Brexit no final de uma campanha polarizada.

Mas os sindicatos e um poderoso grupo de pressão de esquerda, que ajudou Corbyn a se tornar um líder trabalhista em 2015, querem que o partido defenda os pontos de vista de suas bases da classe trabalhadora, que pedem a saída de uma UE que critique o que consideram seu liberalismo excessivo.

Os líderes pró-europeus do partido, como Thornberry, deveriam “se afastar da liderança” se discordarem da abordagem de Corbyn, disse o líder sindical Len McCluskey, destacando as divisões.