Para o que serve um presidente arregão?

Para o que serve um presidente arregão?

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, em 6 de maio de 2019 no Rio de Janeiro - AFP/Arquivos

Vejam essa lista de manchetes: “Bolsonaro volta atrás e desiste de nomear Decotelli para a Educação. Bolsonaro volta atrás e desiste de nomear Mantovani para a Funarte. Bolsonaro volta atrás e desiste de nomear Ramagem para a PF. Bolsonaro volta atrás e desiste de suspender o Renda Brasil. Bolsonaro volta atrás e vai manter o auxílio de R$ 600”.

Por quê? Ora, porque o Olavo de Carvalho não gostou. Porque as redes sociais não aprovaram. Porque o Queiroz não concordou. Porque a Dona Micheque, perdão, Michelle não foi consultada. Porque o Carluxo ficou dodói. Porque Donald Trump não autorizou. Porque a torcida do Palmeiras é chata… Sei lá eu o porquê!!

A verdade é que Jair Bolsonaro é fraco! Posa de cabra-macho nas redes sociais e quando está cercado pelos malucos que o apoiam, mas bastam meia dúzia de tuítes e hashtags contra, que lá vai o “mito” se esconder no quarto. Não à toa fugiu de todos os debates depois de receber alta médica, após o atentado à faca que sofreu em Minas Gerais, em 2018.

Outro dia mesmo, amarelou feio perante o Brasil e o mundo ao suspender o acordo para a importação, produção e distribuição da “vacina chinesa do Doria” pelo prestigiado Instituto Butantan. Seu subalterno, o general com “g” minúsculo, Eduardo Pazuello, foi humilhado em praça pública e desautorizado pelo mofino. A súcia não gostou e o ignavo recuou.

Ontem, quarta-feira (28), surpreendentemente uma boa medida deste (des)governo: o decreto que previa PPP (Parcerias Público Privadas) para a construção, reforma e operação de UBS (Unidades Básicas de Saúde) da rede SUS (Sistema Único de Saúde). É tão raro algo assim, que até pensei em escrever elogiando, para variar um pouco.

Sorte minha! Tão logo imprensa, oposição e redes sociais começaram a “cair de pau” – por interpretarem mal o decreto, que de privatização não continha nada -, o mito de araque (afinal, nunca vi mito ter medo) revogou o próprio decreto e desistiu de uma ótima proposta. Mais uma vez Jair Bolsonaro se rendeu às “vozes das ruas” e enfiou a viola no saco.

No campo externo o presidente submete-se a ser mero fantoche dos Estados Unidos. Internamente, é comandado ou pelo Centrão ou por sua turba de fanáticos. Na economia, confessa que é obediente ao Posto Ipiranga, que de Posto Ipiranga não tem mais nada. Ofereceu cloroquina às emas do Alvorada e foi solenemente, por elas, ignorado.

Afinal, Bolsonaro governa o País ou é governado? Manda ou obedece? Possui vontade própria ou não? Repito: para o que serve, no limite, um presidente arregão?

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.