Para ministro, apenas Bolsonaro pode incentivar o suicídio

Crédito: Reprodução/ TV Brasil

(Crédito: Reprodução/ TV Brasil)

O excelente Ruy Castro, um dos melhores e mais respeitados escritores do País, publicou uma coluna na Folha de S.Paulo deste domingo (10), em que sugere – ironicamente ou não – o suicídio a Donald Trump. Em seguida, complementa:

“Se Trump optar pelo suicídio, Bolsonaro deveria imitá-lo. Mas para que esperar pela derrota na eleição? Por que não fazer isso hoje, já, agora, neste momento? Para o bem do Brasil, nenhum minuto sem Bolsonaro será cedo demais.”

Em julho do ano passado, após o presidente ter testado positivo para Covid-19, outro colunista da Folha, Hélio Schwartsman, motivado pelo descaso com que Bolsonaro trata os doentes e familiares das vítimas do novo coronavírus, assim intitulou uma coluna:

“Por que torço para que Bolsonaro morra”. E concluiu no artigo: “torço para que o quadro se agrave e ele morra… sua morte pouparia muitas vidas. Bolsonaro prestaria na morte o serviço que foi incapaz de ofertar em vida”.

Quem sou para julgar ética ou tecnicamente, sob as formalidades do jornalismo, a conduta de ambos. Sou um neófito no assunto e escrevo como se fosse um amigo em mesa de boteco, batendo um papo, sem compromisso com manuais ou regras de redação.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

A forma com que me expresso também em nada me autoriza a crítica, já que – sem a qualidade e o domínio da língua destes dois monstros sagrados – utilizo palavras e frases bastante agressivas para expressar minha indignação perante os desmandos deste senhor.

O que me chama a atenção e me motiva este texto é tão somente a conduta do Ministro da Justiça, André Mendonça, que utiliza-se do cargo (público) e do aparato do Estado (financiado por nós), para investir juridicamente contra os autores dos textos.

Causa-me ainda mais espécie suas palavras sobre o artigo de Castro: “Alguns jornalistas chegaram ao fundo do poço. Instigaram Presidentes da República a suicidar-se. Apenas pessoas insensíveis com a dor das famílias de pessoas que tiraram a própria vida podem fazer isso“.

Mendonça trabalha com grande afinco para um governo liderado por um presidente capaz de dizer: “e daí? Não sou coveiro. Se morrer, morreu. Bando de maricas. Tem de enfrentar o vírus como homem” etc., em plena pandemia que já ceifou 200 mil vidas brasileiras.

Mendonça não se manifestou quando o amigão do Queiroz assim ironizou: “Mergulhei de máscara para não pegar Covid nos peixinhos” (seja lá o que isso significa). Afinal, ministro, e a dor das famílias das pessoas que morreram? Bolsonaro também é um insensível?

Ao incentivar a população a não usar máscaras, a não respeitar o distanciamento social, a confiar em remédios e tratamentos fictícios e, sobretudo, a “enfrentar o vírus de peito aberto”, o presidente incentiva, sim, mesmo que de forma indireta, o suicídio, caríssimo Sr. Ministro.

Mas o senhor tem razão: chegamos mesmo ao fundo do poço! Ao menos nesta semana. Pois tenho absoluta certeza de que seu presidente e o governo que o senhor representa conseguirão se superar nos próximos dias. Um abraço aí, e tudibão procêis da Bolsolândia, talkey?

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.