Economia

Para Guedes, covid-19 está ‘descendo’ e a economia está ‘voltando em V’

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira, 29, esperar um novo resultado positivo para o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de setembro, que será divulgado nesta quinta, às 16 horas. “A doença (covid-19) está descendo e a economia está voltando em V. A criação de empregos está se dando de forma impressionante, eu mesmo achava que a recuperação viria em forma do símbolo na Nike. Espero que o Caged de hoje confirme ritmo de criação de empregos”, afirmou, em audiência pública na Comissão Mista do Congresso Nacional para o acompanhamento de medidas contra a covid-19.

De acordo com pesquisa Projeções Broadcast com 20 instituições, a recuperação da atividade deve levar o mercado formal de trabalho ao terceiro mês seguido com criação líquida de vagas. É esperado saldo positivo de 140.000 a 301.551 postos com carteira assinada no Caged de setembro. A mediana do levantamento indica criação de 230 mil vagas no período.

Um resultado em linha com o valor intermediário em setembro representaria saldo positivo de 620.578 carteiras assinadas desde julho, 39,2% dos 1,582 milhão de empregos fechados entre março e junho.

“Com o resultado de hoje, teremos entre 500 mil e 1 milhão de empregos perdidos na pandemia, é impressionante. Os EUA demitiram 30 milhões de pessoas e nós conseguimos preservar 10 milhões em empregos”, completou Guedes.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel