Esportes

Para Beckenbauer, o PSG “não tem pontos fracos”

A lenda do futebol alemão Franz Beckenbauer disse que o Paris Saint-Germain “não tem pontos fracos” e que todos os seus jogadores sabem subir ao nível necessário para acompanhar Neymar e Kylian Mbappé.

“É uma superequipe, equilibrada e completa”, disse o tricampeão da principal competição europeia de clubes com o Bayern de Munique (1974, 75 e 76), citado pelo site alemão Sport1 antes da final da ‘Champions’, no domingo, em Lisboa.

“Gosto deles”, acrescentou o ‘Kaiser’, de 74 anos. “Quando o Bayern jogou contra o Barcelona (8-2), sempre tive a sensação de que eles tinham pontos fracos e que podíamos usá-los. Não é o caso do PSG. Eles não têm pontos fracos. Inclusive em comparação com Neymar e Kylian Mbappé, não não há jogador que não esteja à altura”.

Beckenbauer considera, portanto, que a final está em “50/50” para cada lado, porque o Bayern está no nível mais alto possível neste momento. “Todos eles me impressionam”, disse o ex-craque. “Eles cometeram poucos erros ultimamente e nós temos com Manuel Neuer um goleiro de classe mundial que também pode compensar um erro. Está tudo ali: o frescor, o entusiasmo, a vida de grupo.”

cpb/ll/gh/aam

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Idoso morre após dormir ao volante e capotar veículo em Douradoquara; neto ficou ferido
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel