Comportamento

Papa defende ‘conversão ecológica integral’, em mensagem de paz anual

Papa defende ‘conversão ecológica integral’, em mensagem de paz anual

(Arquivo) Papa Francisco participa da Eparquia de Mukachevo do rito bizantino na Basílica de São Pedro antes do início da Audiência Geral de quarta-feira no Vaticano - AFP

Em sua tradicional mensagem de paz, que será lida em todas as igrejas no dia 1º de janeiro, o papa Francisco pede uma “conversão ecológica integral” que envolva novas relações humanas e respeito à “criação”.

“Uma má compreensão dos nossos próprios princípios muitas vezes nos levou a justificar os maus-tratos à natureza, a dominação despótica do ser humano sobre a criação, as guerras, a injustiça e a violência”, lamenta o papa, neste documento divulgado com antecedência como todos os anos.

Para o pontífice, os homens devem operar uma “conversão ecológica”, porque devemos “cultivar e manter para as gerações futuras os recursos naturais e muitas formas de vida e a própria Terra”.

“A conversão ecológica deve ser compreendida de maneira abrangente”, como “um novo olhar sobre a vida”, a relação entre os seres humanos e a natureza, estima o papa.

Em sua mensagem, o argentino Jorge Bergoglio explica que as guerras e conflitos que se sucederam no curso da história humana “com uma capacidade destrutiva crescente” são o resultado da “exploração e corrupção (que) alimentam o ódio e a violência”.


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

Ele denuncia mais uma vez – como durante a sua recente viagem ao Japão – a dissuasão nuclear, que “só cria uma segurança ilusória”.

“Não podemos pretender manter a estabilidade global por medo da aniquilação, em um equilíbrio mais do que nunca instável, suspenso à beira do colapso nuclear”, acrescenta.

O papa também se inspira no recente sínodo sobre a Amazônia para explicar que muitos conflitos são devidos à “falta de respeito pela casa comum e à exploração abusiva dos recursos naturais – considerados unicamente como ferramentas úteis para o lucro, sem respeito pelas comunidades locais, pelo bem comum ou pela natureza”.

Para o papa, é preciso considerar “uma nova maneira de viver na casa comum, de se preocupar com modelos de sociedade que promovam o surgimento e a permanência da vida no futuro, e de desenvolver o bem comum”.

É essencial avançar na direção de “um relacionamento pacífico entre as comunidades e a Terra, entre o presente e a memória, entre experiências e expectativas”, afirma o pontífice.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ 7 tendências de design de interiores que vão bombar em 2021
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel