Comportamento

Papa condena o ataque na França e ‘reza pelas vítimas’

Papa condena o ataque na França e ‘reza pelas vítimas’

O papa Francisco durante a oração do Angelus na Praça de São Pedro em 13 de setembro de 2020 - AFP

O papa Francisco condenou “o terrorismo e a violência que nunca podem ser aceitos” e “reza pelas vítimas”, após o ataque nesta quinta-feira com faca que deixou três mortos na cidade francesa de Nice.

“É um momento de dor, um momento de confusão. O terrorismo e a violência nunca podem ser aceitos. O ataque de hoje semeou a morte em um lugar de amor e consolo, como a casa do Senhor”, disse em um comunicado o porta-voz do papa, Matteo Bruni, que destacou que o pontífice “reza pelas vítimas e seus familiares”.

Três pessoas morreram, ao menos uma delas com a garganta cortada, e várias ficaram feridas em um ataque com faca perto da basílica de Notre-Dame no coração de Nice.

O autor foi detido.

O ataque ocorre menos de duas semanas após o assassinato por decapitação de um professor perto de Paris, por ter mostrado caricaturas do profeta Maomé em uma aula sobre liberdade de expressão.

O chefe do governo italiano Giuseppe Conte condenou também o “ataque vil” e pediu a consolidação de uma “frente comum” em defesa dos valores da “liberdade e da paz”, escreveu em um tuíte.

“Nossas certezas são mais fortes que o fanatismo, o ódio e o terror”, afirmou.

Veja também

+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel