Mundo

Papa celebra missa para lembrar visita a Lampedusa

CIDADE DO VATICANO, 08 JUL (ANSA) – O papa Francisco celebrou nesta quarta-feira (8), na Casa Santa Marta, no Vaticano, uma missa pelo aniversário de sete anos de sua visita a Lampedusa, ilha italiana que é porta de entrada para migrantes forçados e refugiados na Europa.   

Devido às medidas contra aglomerações em vigor para conter a pandemia do novo coronavírus, a homilia contou apenas com a presença do departamento de migrantes e refugiados do Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral.   

Na missa, o Papa voltou a defender o acolhimento de deslocados internacionais e criticou sua prisão em campos de detenção na Líbia, país que tem um acordo com a Itália para controlar os fluxos migratórios no Mediterrâneo Central.   

“É Deus quem bate à nossa porta esfomeado, com sede, forasteiro, nu, doente, preso, pedindo para ser ajudado, pedindo para desembarcar”, declarou Francisco. Segundo o Pontífice, a “cultura do bem-estar” tornas as pessoas “insensíveis ao grito dos outros”.   

“Ela nos faz viver em bolhas de sabão bonitas, mas que não significam nada, são ilusões do fútil, do provisório, que levam à indiferença, levam à globalização da indiferença”, acrescentou, reproduzindo palavras que dissera em Lampedusa em 8 de julho de 2013.   


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

Em seguida, Jorge Bergoglio mencionou a situação da Líbia e afirmou que o país africano virou um “inferno” para migrantes e refugiados, comparando os centros de detenção para deslocados internacionais a um “lager”, termo alemão para os campos de extermínio nazistas.   

“Dão-nos a versão destilada, mas vocês não imaginam o inferno que se vive ali, os ‘lager’ de detenção, e essa gente que vinha apenas com a esperança”, disse. A visita de Francisco a Lampedusa foi a primeira viagem apostólica de seu pontificado e ocorreu na época em que a ilha era palco frequente de naufrágios de barcos de migrantes e refugiados.   

Na ocasião, o Papa celebrou uma missa para cerca de 10 mil pessoas e lançou uma coroa de flores no mar. Lampedusa é o centro habitado mais meridional da Itália e fica mais perto do norte da África – menos de 100 quilômetros via mar – do que da Península Itálica.   

Por conta disso, é um dos destinos mais buscados pelos migrantes e refugiados que se arriscam em viagens em barcos superlotados no Mediterrâneo. (ANSA)

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Atriz e modelo sul-coreana Song Yoo-jung morre aos 26 anos
+ Pais matam as 2 filhas para provar que elas voltariam a vida
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra! + Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel