Esportes

Pandemia obriga Tokyo Game Show a se reinventar

Como muitos outros congressos no mundo, o Tokyo Game Show, o grande evento japonês do videogame, será realizado de forma virtual este ano devido à pandemia de coronavírus. Uma situação que pode criar a oportunidade para a sua reinvenção.

O evento, que acontecerá de quarta-feira a domingo, se tornou muito popular nos últimos anos, com mais de 250 mil visitantes nas últimas edições.

“O Tokyo Game Show (TGS) está em declínio há 10-15 anos”, constata o analista Serkan Toto, da Kantan Games de Tóquio, consultado pela AFP. A causa pode ser a perda da hegemonia dos jogos japoneses nesse período, segundo ele.

Criado em 1996 e inevitável no início dos anos 2000, o TGS viu a competição aumentar com o salão E3 de Los Angeles – que este ano foi cancelado – e a Gamescom de Colônia, no oeste da Alemanha – que foi organizado de modo virtual há algumas semanas.

O evento alemão lidera em número de visitantes e os desenvolvedores de jogos o preferem para anunciar suas novidades.

“Parece que a cada ano há mais visitantes e menos anúncios no TGS”, aponta Brian Ashcraft, jornalista do site especializado Kotaku, que mora no Japão e faz a cobertura do salão há mais de 15 anos.

Nos últimos anos, o TGS tem se concentrado mais no mercado japonês. “Está ficando cada vez mais claro que o TGS está se voltando para dentro, ao invés do mercado internacional”, de acordo com Toto.

– Apresentações em inglês, em chinês –

Organizado pouco antes do Natal, período em que o setor realiza grande parte de suas vendas, “o TGS permite que os visitantes experimentem” os títulos anunciados em outros salões, explica à AFP Yasuyuki Yamaji, secretário-geral da associação Cesa, que administra o evento.

“As pessoas também vêm pela simpatia, para assistir a competições de e-sport, para fazer cosplay ou para passar algum tempo de qualidade com a família”, acrescenta.

Este ano não será possível compartilhar esses momentos. Mas o salão espera aproveitar o fato da migração online para atingir um público mais amplo, já que até agora de “70% a 80% dos visitantes geralmente vêm de e dos arredores de Tóquio”, de acordo com Yamaji.

Mais da metade dos expositores deste ano serão estrangeiros, afirma o executivo, que prevê uma edição “mais global”.

Algumas empresas farão os anúncios em inglês e chinês, além de japonês. É o caso da Square Enix (franquia Final Fantasy), Capcom (Street Fighter, Resident Evil) ou Sega Atlus (Persona).

A barreira do idioma era “um problema” para o TGS, diz Serkan Toto.

Outra dificuldade enfrentada por este congresso japonês é a ausência da gigante Nintendo, que domina o mercado japonês. Sua compatriota Sony já revelou na semana passada os detalhes do PlayStation 5, que deve ser lançado em novembro.

Por sua vez, a gigante americana Microsoft já informou que não falará no TGS sobre seus novos consoles Xbox Series, que também serão lançados em novembro.

Com o confinamento digital do evento, seus organizadores esperam aproveitar ao máximo a experiência para as próximas edições.

Se a pandemia permitir no próximo ano, “gostaríamos de propor um evento físico híbrido, que preserve as vantagens do TGS online, como apresentações remotas”, explica Yamaji.

mac/etb/fby/sl/es/zm/mr

CAPCOM

SQUARE ENIX HOLDINGS

MICROSOFT

SEGA SAMMY HOLDINGS

NINTENDO

TGS NOPEC GEOPHYSICAL COMPANY

SONY

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ O processo de formação como obra

+ Arte e algoritmo: Uma genealogia

+ Radicalmente vivo