Comportamento

Palestino com trastornos mentais condenado por assassinato de britânica

Palestino com trastornos mentais condenado por assassinato de britânica

Uma foto distribuída pela família de Hannah Bladon, que foi esfaqueada até a morte em um bonde perto da Cidade Velha de Jerusalém em 14 de abril de 2017 - FOREIGN

Um tribunal israelense condenou nesta quinta-feira a 18 anos de prisão um palestino que sofre de transtornos mentais e foi acusado de assassinar uma estudante britânica em Jerusalém em 2017.

De acordo com a acusação, Hannah Bladon, de 20 anos, foi esfaqueada sete vezes em 14 de abril del 2017 por Jamil Tamimi, de 57 anos, residente em Jerusalém Oriental, zona paletina da cidade anexada por Israel.

A estudante oriunda de Birmingham realizava um semestre de intercâmbio na Universidade Hebraica de Jerusalém.

Os médicos encarregados de examinar Tamimi indicaram que ele é portador de esquizofrenia, o que o isentaria de suas ações e que o tribunal devia levar em conta sua condição mental para determinar sua sentença.

O tribunal assinalou que o acusado foi condenado em 2000 a dez anos de prisão pela agressão sexual contra uma menor de sua família.

Tamimi havia deixado um centro psiquiátrico no dia anterior ao assassinato, segundo o jornal israelense Haaretz.

O ataque aconteceu na periferia da cidade velha de Jerusalém, em pleno fevor turístico pela celebração da Sexta-Feira Santa.