Mundo

Países vizinhos do Mali exigem ‘reintegração’ do presidente e enviam delegação

Países vizinhos do Mali exigem ‘reintegração’ do presidente e enviam delegação

Captura de imagem de um vídeo da televisão estatal ORTM, com os líderes da Junta Militar em 19 de agosto de 2020 - ORTM/AFP

Os países vizinhos do Mali exigiram nesta quinta-feira (20) a “reintegração” do presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, deposto por um golpe liderado pelo coronel Assimi Goita.

Em Bamako, o porta-voz da Junta Militar, coronel Ismael Wagué, indicou que “um militar ou um civil” seria nomeado como presidente de transição.

“Estamos em contato com a sociedade civil, os partidos da oposição, a maioria, o mundo todo, para tentar estabelecer a transição”, afirmou.

O presidente deposto, Ibrahim Boubacar Keita, continua detido pelos militares golpistas.

Os dirigentes da Comunidade Econômica da África Ocidental (Cedeao, formada por 15 países) reuniram-se nesta quinta-feira em uma cúpula extraordinária por videoconferência sobre a situação no Mali, considerada grave dois dias após o golpe.

O presidente deposto, Ibrahim Boubacar Keita, continua detido pelos militares golpistas.

“Pedimos a reintegração do presidente Ibrahim Boubacar Keita como presidente da República” do Mali, declarou o chefe de Estado nigeriano, Mahamadou Issoufou, ao final da cúpula, que decidiu por “uma delegação de alto nível para garantir o retorno imediato da ordem constitucional”.

“O Mali se encontra em uma situação crítica, com graves riscos de que um colapso do Estado e das instituições venha a causar retrocessos na luta contra o terrorismo e o crime organizado”, acrescentou Issoufou, presidente interino do Cedeao, lembrando aos golpistas “sua responsabilidade pela segurança do presidente Ibrahim Boubacar Keita e dos funcionários detidos”.

No início da reunião, ele destacou que um golpe militar anterior em 2012 havia permitido que grupos islamitas “ocupassem dois terços do território do Mali por várias semanas”.

A Cedeao conduzirá as discussões e “fará com que os chefes da Junta Militar entendam que os tempos de tomada do poder pela força terminaram em nossa sub-região”, disse Issoufou, que pediu sanções aos militares e seus parceiros. A Cedeao já havia suspendido o Mali de seus órgãos de decisão.

Na quinta-feira, na capital, Bamako, soldados vigiavam a cidade administrativa, que abriga a maioria dos ministérios, constatou um correspondente da AFP. Os habitantes, que geralmente saudavam a mudança de regime, voltaram ao trabalho.

– Altos funcionários presos –

O presidente Keita, eleito em 2013 e reeleito em 2018 por cinco anos, enfrenta há meses um protesto sem precedentes desde o golpe de 2012.

Depois de ser preso na terça-feira, Keita foi forçado a anunciar sua renúncia e a dissolução do Parlamento e do governo na manhã de quarta-feira.

Além do presidente e de seu primeiro-ministro Boubou Cissé, os militares também detiveram vários altos funcionários civis e militares. Todos ainda estavam detidos na noite de quinta-feira.

Os militares anunciaram que o país seria liderado por um Comitê Nacional para a Salvação do Povo (CNSP), chefiado pelo Major Coronel Assimi Goita, e prometeram organizar eleições em um “tempo razoável”.

O novo homem forte do Mali, um oficial na casa dos quarenta, liderou até agora as forças especiais no centro do país, uma região que tem sido palco desde 2015 de vários ataques jihadistas.

Esses ataques, somados à violência intercomunitária, se espalharam para os países vizinhos, Níger e Burkina Faso.

O coronel Goita justificou o golpe nesta quarta-feira por causa da “crise sócio-política e de segurança” que atravessa o país.

– “Celebrar a vitória do povo” –

Nas últimas semanas, a Cedeao fracassou nas tentativas de resolver a crise que, desde as polêmicas eleições legislativas de março e abril, opôs Keita ao “Movimento de 5 de Junho” (M5), uma coligação de opositores políticos, religiosos e membros do sociedade civil.

A organização pediu um governo de união nacional, mas fez da saída forçada do presidente Keita uma “linha vermelha”.

O M5 comemorou o golpe e disse estar pronto para fazer uma transição política com a Junta. Na sexta-feira, ele planeja organizar manifestações para “celebrar a vitória do povo do Mali”.

Como a ONU, a França e os Estados Unidos, a Anistia Internacional instou na quinta-feira os conspiradores do golpe a libertar imediatamente os presos e pediu uma investigação sobre as mortes por tiros de quatro pessoas durante o motim de terça-feira.

A Junta afirma que seu levante não causou vítimas. Também indicou que continua a “aderir ao processo de Argel”, o acordo de paz assinado em 2015 entre Bamako e os grupos armados no norte do país.

ck-bh-sd-mr/siu/ayv/stb/bc/mb/jc/mvv

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel