Mundo

Países vizinhos da Líbia rejeitam interferência estrangeira no país

Países vizinhos da Líbia rejeitam interferência estrangeira no país

Vizinhos da Líbia se reúnem na Argélia para discutir o conflito no primeiro país - AFP

Os países vizinhos da Líbia recusaram nesta quinta-feira (23) “qualquer interferência estrangeira” naquele país, dividido pela guerra civil, durante reunião em Argel, capital da Argélia, em busca de uma solução política para o conflito.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

A reunião foi finalizada com um acordo sobre “a necessidade de respeitar a Líbia como um Estado, respeitar a soberania das autoridades legítimas em todo o território”, explicou em coletiva de imprensa o ministro das Relações Exteriores argelinas, Sabri Boukadoum.

Participaram do encontro os ministros do Egito, Mali, Chade e da Tunísia. Integraram a reunião também diplomatas do Sudão e da Nigéria, assim como o ministro de Relações Exteriores alemão, Heiko Maas.

“Esse encontro não é um mecanismo senão uma reunião de consenso e coordenação, para que se possa ouvir as vozes dos países vizinhos nas comissões internacionais”, ressaltou Boukadoum.

Todos os participantes encorajaram “as partes líbias a solucionar a sua crise mediante métodos pacíficos”.

Vários países africanos se queixaram por terem sido mantidos à margem durante a Cúpula em Berlim, na qual participaram os rivais líbios Fayez al-Sarraj, do Governo da União Nacional (GNA, na sigla em inglês), que é reconhecido como legítimo pela Organização das Nações Unidas — e o general Khalifa Haftar.

Ainda assim, os dois se recusaram a se reunir em Berlim.

Embora o GNA tenha assinado o acordo formal de cessar fogo, o general Khalifa Haftar não fez o mesmo.

As áreas rivais concordaram com a criação de uma comissão militar encarregada de definir os mecanismos de instauração de uma trégua durável.

Desde 2011, quando o ditador Muamar Kadafi, a Líbia vive uma guerra civil. A partir disso, milícias e grupos armados disputam pelo território e controle dos recursos petrolíferos.

O Egito, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, França e Rússia suspenderam o apoio diplomático a Haftar, embora a Turquia tenha anunciado recentemente um acordo de apoio militar e estratégico ao GNA, que também conta com o apoio do Qatar.

Veja também

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea