Esportes

País com mais técnicos no mundo, Argentina crê na tradição da escola de formação

Se o Brasil é conhecido como o país do futebol, a Argentina deveria ser chamada de a terra dos técnicos. A nação vizinha tem cerca de 15 mil treinadores locais licenciados e exporta profissionais para a América do Sul e Europa graças a dois fatores principais. O grande interesse dos argentinos em seguir a carreira e a formação eficaz são fundamentais para esse poderio.

Os treinadores argentinos estão representados em todos os lugares. Na última Copa do Mundo, eles eram maioria e comandaram cinco das 32 seleções. Na fase de grupos da Copa Libertadores deste ano, conduzem 14 dos 32 participantes. Um estudo recente publicado pelo Centro Internacional de Estudos do Futebol, na Suíça, revelou que de todo o mundo, o país que mais tem técnicos em atividade em outras ligas é justamente a Argentina. São 68 representantes em 22 países diferentes. O Brasil tem só 16.

Essa grande participação se faz presente no Campeonato Brasileiro também. E com dois exemplos. Eduardo Coudet, no Internacional, e Jorge Sampaoli, no Atlético-MG, assumiram as respectivas equipes como contratações de peso neste ano. Seja os nomes em atividade na América do Sul ou mesmo os profissionais de destaque na Europa como Marcelo Bielsa, Mauricio Pochettino e Diego Simeone, todos têm em comum a formação. Os argentinos têm no país desde 1963 um curso específico para a preparação de treinadores. Desde 1994 o certificado e a habilitação são obrigatórios para se trabalhar em clubes da elite da Argentina.

“Os treinadores argentinos têm destaque porque são apaixonados pelo futebol e tiveram aulas em boas escolas, com cursos exigentes”, disse ao Estadão o técnico do Arsenal de Sarandí, Sérgio Rondina. O curso local de técnicos é organizado pela Associação de Técnicos do Futebol Argentino (ATFA, na sigla em espanhol) e pode ser feito em 39 escolas espalhadas pelo país ou na modalidade virtual, em que apenas os exames finais são presenciais.

É preciso cumprir três anos de aula no curso para receber o certificado de nível mais alto. O diploma, aliás, é o único da América do Sul que é aceito também pela Uefa. O currículo tem disciplinas como neurociência, psicologia, gestão de recursos humanos, história do futebol, métodos de treinamento, entre outros. A única exigência para se matricular é ter ensino médio completo.

Um ponto curioso é que vários dos alunos formados na escola são jogadores em atividade. Zabaleta, Mascherano, D’Alessandro e Lucas Pratto já receberam o certificado e estão habilitados para trabalharem como técnicos. Atual técnico do Arsenal de Sarandí, Rondina fez aulas quando ainda era jogador profissional. “Eu estava em times da segunda divisão e procurei estudar para poder cuidar do meu futuro. É importante o atleta profissional se preparar para quando se aposentar”, explicou.

Para o curso presencial na Argentina, as mensalidades custam cerca de R$ 400. Há também a possibilidade de se fazer a formação à distância no Brasil. Neste caso, por R$ 700 mensais o aluno acessa o conteúdo por um site e faz provas online. “A formação argentina é importante porque abre chance para vários serem técnicos, não só quem foi jogador profissional. É um modelo mais democrático para todos que gostam do esporte. Tem muitos jornalistas e jogadores que estudam só para se aperfeiçoar”, afirmou o coordenador da ATFA no Brasil, Leonardo Samaja.

Já no Campeonato Brasileiro, somente em 2019 passou a ser obrigatório que os treinadores tivessem a licença emitida pela CBF para atuar. No último ano foi permitido que mesmo sem ter completado o curso, o profissional poderia dirigir um time. A condição era de estar matriculado para fazer as aulas em breve. Para se formar técnico no País, o requisito básico é ter sido jogador ou formação em Educação Física. O curso completo da CBF, do nível mais básico até o mais avançado, pode custar cerca de R$ 40 mil.

COLEGA DE LOCO ABREU – O analista de desempenho do Sport, Thiago Alves, foi um dos brasileiros a ter encerrado o curso argentino. Após fazer as provas online, ele viajou ao país vizinho para fazer os testes finais. Teve exame prático, avaliação em grupo e prova oral. Entre os colegas de turma, ele teve dois uruguaios famosos. Um foi atacante Loco Abreu, que é jogador e técnico do Boston River, o outro foi Diego Forlán, atual comandante do Peñarol.

“Como o curso já existe há muito tempo, eles têm um sistema muito bom de aulas. E não tem apadrinhamento. Mesmo jogadores renomados precisam fazer todo o curso desde o início”, contou Alves. Na prova prática final, ele e os colegas precisaram organizar um treino e ministrar a atividade para uma turma de garotos. Os avaliadores observaram nos alunos a capacidade didática e a aplicação de conceitos táticos no trabalho.

Veja também

+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Honda apresenta a Rebel CMX1100 para bater de frente com a Harley-Davidson
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel