Geral

Pai de Henry Borel pede à Justiça que negue habeas corpus a Jairinho

Crédito: Reprodução

O engenheiro Leniel Borel de Almeida, pai de Henry Borel Medeiros, disse esperar que a Justiça negue o pedido de habeas corpus feito pela defesa do ex-vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho. O pedido deve ser analisado pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio.

O ex-vereador é acusado pelos crimes de tortura e homicídio qualificado contra o enteado, Henry Borel Medeiros, de 4 anos. O menino era filho da então namorada, Monique Medeiros da Costa e Silva, que também está presa.

“Fui surpreendido com a notícia da impetração do habeas corpus. Como assistente de acusação e acompanhando diariamente o andamento do processo, sei que, desde a decretação da prisão preventiva de Jairo e Monique, não houve nenhum fato novo que justificasse a liberdade dos dois”, afirmou Leniel ao jornal Extra.

“Meu filhinho foi brutalmente assassinado há cinco meses e eles continuam ocultando friamente o que houve naquela madrugada. Acredito na Justiça e tenho certeza que haverá a negação a esse pedido de soltura”, disse o engenheiro.

De acordo com o advogado Braz Sant’Ana, autor do habeas corpus, o ex-vereador não tem mais “influência política” e, por causa disso, ele não teria mais poderes para interferir nas investigações.

Acusado de torturar e matar o menino, Jairinho teve o mandato de vereador cassado no dia 30 de junho, por unanimidade, na Câmara do Rio. Na ocasião, ele também perdeu os direitos políticos pelos próximos oito anos.