Brasil

‘Pagando mais venezuelanos do que brasileiros’, diz presidente da Caixa sobre auxílio em Pacaraima

‘Pagando mais venezuelanos do que brasileiros’, diz presidente da Caixa sobre auxílio em Pacaraima

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, contou que o número de venezuelanos beneficiados pelo auxílio emergencial é superior ao de brasileiros em Pacaraima, em Roraima.

Guimarães revelou os dados nesta terça-feira (29) ao falar sobre visita à cidade, localizada na fronteira entre Brasil e Venezuela e sede da Operação Acolhida.

“Neste fim de semana nós estávamos em Pacaraima, Roraima, na Operação Acolhida. Em Pacaraima nós estamos pagando mais venezuelanos do que brasileiros sobre o auxílio emergencial”, contou.

De acordo com o presidente do banco, os dados comprovam que o Brasil é um País acolhedor.

“Fomos também em abrigos onde estão índios venezuelanos e houve uma receptividade muito positiva. Por que que quero reforçar isso? Porque a grande maioria é de brasileiros, mas também venezuelanos, bolivianos, haitianos, o que reforça o ponto que o Brasil é um país que acolhe e ajuda”, ressalta.


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

O auxílio emergencial teve seu calendário de pagamentos divulgados nesta terça-feira. Os beneficiados vão receber R$ 300.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ 7 tendências de design de interiores que vão bombar em 2021
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel