Economia

Ouro fecha em alta, com Fed e EUA-China no radar

O ouro fechou em alta nesta quarta-feira, 11, com investidores operando em clima de ligeira cautela antes da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). Seguem no radar, também, as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China.

Nesse cenário, o ouro para dezembro fechou em alta de 0,46%, em US$ 1.469,40 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Se a manutenção da taxa de juros americana já é amplamente esperada pelo mercado, investidores estarão atentos às projeções do Fed para a economia dos EUA, a serem divulgadas junto com o comunicado de política monetária, a ser divulgado às 16 horas (de Brasília).

Também será publicado, junto à decisão de política monetária americana, mais um “gráfico de pontos”, que traz as perspectivas dos dirigentes do Fed para o futuro da taxa dos Fed funds.

O presidente do BC dos EUA, Jerome Powell, discursa em seguida, às 16h30. Com isso, o clima é de certa cautela, o que favorece ativos considerados seguros, como o ouro.

A busca por ativos de segurança também é explicada pela continuidade das tensões comerciais entre os EUA e a China. Os olhos estão voltados para o próximo domingo, quando entra em vigor a elevação das tarifas impostas pelos americanos a produtos chineses.

De acordo com a CNBC, o país oriental quer o cancelamento da medida para continuar as tratativas. O jornal chinês Global Times publicou nesta manhã que, caso a elevação de tarifas aconteça, Pequim anunciará retaliações a Washington.

Tópicos

mercado de ouro