Ou Bolsonaro age civilizadamente, ou cai fora

Crédito: Divulgação

(Crédito: Divulgação)

Amigos advogados sempre me ensinaram: não há direito absoluto. Assim como não há liberdade de expressão plena. Ultrapassou os limites legais deixou de ser liberdade de expressão e passou a ser crime. E não se pode recorrer a um direito para poder delinquir.

O leitor mais apressado irá me dizer: “Pois bem. Se é assim, que a Justiça decida se é ou não crime, e sendo, que aplique a justa punição. Mas censura, jamais”. Eu até concordaria com o açodado amigo, porém, como reza o famoso ditado popular, “o buraco é mais embaixo”.

Olhem aqui: Bolsonaro, você é um psicopata negacionista! Essa é a minha opinião a respeito do parça do Queiroz. O devoto da cloroquina pode gostar ou não. Não gostando, pode me processar. Mas minha opinião não coloca nem ele, nem ninguém, nem nada em risco.

Compreenderam? Isso, sim, chama-se liberdade de expressão. E sendo tal liberdade considerada crime (injúria, difamação etc.), eu deverei arcar com as consequências do meu ato. Agora considerem a seguinte situação: eu, Ricardo Kertzman, escrevo o seguinte:

Bolsonaro tem de ser arrancado à tapas do Poder. Ou: a esquerda deveria invadir o Palácio do Planalto. Ou ainda: fechem o Congresso e o STF. Neste caso, eu não estaria exercendo meu direito constitucional de liberdade de expressão, mas, sim, incitando violência e golpe.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

E é isso que Jair Bolsonaro faz quase diariamente. Incentiva a violência entre os brasileiros, estimula portadores de armas a não respeitar o Poder Público, faz apologia à tortura, prega abertamente ruptura democrática e induz os menos instruídos a adoecerem por Covid-19.

Tudo isso não se trata de mera opinião ou liberdade de expressão, mas claramente de crimes que deveriam ser cuidados pela Justiça. Simultaneamente, já que providências não excludentes, os veículos de comunicação, que reverberam tais delitos, deveriam agir.

Assim como fizeram com Donald Trump recentemente, Twitter e Facebook, em nome da democracia, segurança pública e saúde dos seus bilhões de usuários, deveriam enviar Jair Bolsonaro para o quinto dos infernos da internet. Deveriam bani-lo permanentemente.

E não há que se alegar tratar-se de censura, pois não é. Trata-se apenas de não permitir que um delinquente utilize plataformas de comunicação em massa para trazer riscos a toda a sociedade. Ora, que esse tipo de gente crie seu próprio Twitter ou Facebook, e sejam felizes.

Minha casa, minhas regras! Eu não permitiria, por exemplo, um convidado de esquerda insultar um bolsonarista na minha residência. Eu não permitiria um colaborador disseminar fake news na minha empresa. Por que diabos, então, Dorsey e Zuckerberg têm de permitir?

E não é só Bolsonaro, não. Tem o resto da malta. Como tem também, e muito!, os entulhos da extrema esquerda, igualmente mestres da baixaria. Fora os antivacinas, terraplanistas e outras excrescências. Quanto menos audiência essa gente tiver, melhor o mundo e mais respirável o ar.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.