Independentemente do resultado da votação em segundo turno da PEC dos Precatórios, o governo e Arthur Lira comemoraram a aprovação dessa excrescência em primeiro turno na semana passada, mostrando que a compra de votos esteve a todo vapor no Congresso. Foi liberado R$ 1,2 bilhão do orçamento secreto na véspera da votação na madrugada do dia 4: cada um dos deputados que votou a favor (312) recebeu em torno de R$ 30 milhões. E aí surgiram os que traíram a decisão partidária de fazer oposição a Bolsonaro. Aécio Neves foi um dos 22 deputados do PSDB que ficaram ao lado do capitão; Júlio Delgado foi outro dos 10 integrantes da bancada do PSB que votaram a favor; e André Figueiredo, do PDT do Ceará, foi um dos 15 pedetistas que deram uma rasteira no presidenciável Ciro Gomes.

Tucanos

O PSDB foi o que mais contribuiu para a vitória do governo. Além de Aécio, outros líderes tucanos votaram a favor, como Lucas Redecker, presidente do PSDB gaúcho e apoiador de Leite nas prévias. Todos os deputados mineiros ligados a Aécio votaram com Bolsonaro. Já os deputados do PSDB de São Paulo, que apoiam Doria nas prévias, votaram contra.

Ciro

O PDT também teve uma participação importante, já que dos 21 parlamentares apenas seis votaram contra o governo. Sem os votos pedetistas, a PEC dos Precatórios sairia derrotada ainda no primeiro turno. Ciro Gomes se sentiu traído. Por sorte, o Supremo acabou com as emendas do relator e vai frear a barganha no Congresso.

O medo de Lula

Os vendilhões
Gabriela Biló

O ex-presidente Lula está com medo de sair às ruas. Não tem feito eventos públicos por razões de segurança pessoal. Disse a um prefeito paulista, de quem é muito próximo, que teme ser alvo de bolsonaristas, que são estimulados pelo presidente Jair Bolsonaro a andarem armados, O líder petista receia que algum militante ou até miliciano ligado ao mandatário possa cometer algum atentado contra ele.

Retrato falado

Os vendilhões
“Posso fazer mais pelo País fora do Ministério Público” (Crédito:FÁBIO MOTTA)

O procurador da República de Curitiba, Deltan Dallagnol, vai se juntar a Sergio Moro no Podemos e deve disputar um cargo na eleição de 2022. Ele anunciou que vai deixar o Ministério Público e abrir mão de um salário de R$ 33,7 mil para participar da disputa eleitoral, possivelmente como candidato a deputado federal. Em 2018, ele chegou a pensar em disputar o Senado, mas, desta vez, o ingresso do ex-juiz da Lava Jato na política o estimula a tentar uma cadeira no Congresso.

A caminho da recessão

A indústria, que sempre foi um dos setores que puxou a economia brasileira para cima, agora está no caminho inverso, com quedas atrás de quedas, o que significa que estamos a passos largos no rumo da recessão no ano que vem. Em setembro, a produção da indústria caiu 0,4% em relação a agosto, o que significa uma perda de 2,6% nos últimos quatro meses, segundo dados do IBGE. É uma queda pelo quarto mês consecutivo. Nos nove meses do ano, a indústria só cresceu em dois deles (janeiro e maio). O desempenho negativo se deve à baixa produção por causa da pandemia e da falta de matérias-primas por conta da escassez de peças, sobretudo para a indústria automobilística.

PIB baixo

Esse baixo desempenho industrial contribuirá para a queda da economia não somente neste ano, mas também no ano que vem. Neste terceiro trimestre, o PIB deve crescer 0,2%, mas, mesmo assim, fecharemos com alta de 4,8%. O problema será para 2022, quando a previsão é de recessão, com retração de até 1%.

O ABC tucano

A região do ABC, conhecida como a terra do PT, há seis anos é dominada pelos tucanos e tem o prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, como a principal liderança. Reeleito em 2020 com 70% dos votos, ele comanda o apoio a Doria na região Centro-Oeste, onde o governador paulista desponta com grande vantagem. O prefeito tem atraído para o governador também a grande maioria dos prefeitos tucanos paulistas: sua gestão é a maior de todas as administrações municipais do PSDB.

Os vendilhões
Eduardo Anizelli

Economia forte

Orlando, que também administra o maior orçamento municipal brasileiro atrás apenas da capital paulista, acaba de editar decreto suspendendo as restrições às atividades econômicas e sociais por conta da pandemia: a decisão está baseada no avanço da imunização e na queda na taxa de internações por Covid. Até as igrejas voltarão a funcionar.

O dilema de MandettaOs vendilhões

Enquanto não decide se todos os 11 pré-candidatos do centro se unem em torno de uma candidatura única, o ex-ministro Mandetta pensa no plano B. Ele já avalia a possibilidade de disputar uma cadeira no Senado pelo Mato Grosso do Sul pelo União Brasil (fusão do DEM com o PSL). Nesse caso, enfrentaria Tereza Cristina (ministra da Agricultura), que pode ir para o PP.

Toma lá dá cá

Os vendilhões
Divulgação

A candidatura de Rodrigo Pacheco a presidente pode dividir a terceira via?
É positivo que o Rodrigo tenha aceitado ser nosso candidato. Ele é bem preparado, mostra espírito público, capacidade para enfrentar desafios e solucionar conflitos.

O senhor escolheu Roberto Rodrigues para coordenar a campanha de Pacheco?
Ele aceitou nosso convite para coordenar a campanha do Rodrigo em eventual plano de governo para o agronegócio. Ele é um dos maiores especialistas em políticas agrícolas do mundo.

Datena ingressou no PSD para ser candidato ao Senado?
Tornar-se senador é um dos seus sonhos. Poderá fiscalizar o País por conta de tudo o que ele aprendeu como um dos principais comunicadores do Brasil

Rápidas

* Bolsonaro não tem limites. Acaba de conceder a ele mesmo a medalha da Ordem Nacional do Mérito Científico por sua relevante contribuição à ciência. Após ter sido indiciado na CPI por indicar remédios ineficazes contra a Covid, essa medalha é um escárnio.

* Depois de trocar o nome do secretário do clima dos EUA John Kerry pelo do humorista Jim Carrey, Bolsonaro virou motivo de piada na TV americana. Por aqui, não é diferente. Ninguém mais leva Bolsonaro a sério.

* O PT quer alguém do PSB para vice de Lula, como Flávio Dino (MA) ou Paulo Câmara (PE). Se o acordo vingar, o PT apoia o socialista Geraldo Julio para o governo de Pernambuco e dá uma rasteira outra vez em Marília Arraes.

* Por outro lado, o PSB quer apoio do PT no Rio de Janeiro (Marcelo Freixo) e para a “geringonça” que estão montando em São Paulo em torno de Alckmin e que pode unir ainda socialistas e petistas no mesmo barco.