A semana

Os segredos entre Brasil e Paraguai

Crédito: SERGIO LIMA

Mensagens privadas – de novo elas – divulgadas pelo jornal “ABC Color” geraram instabilidade no governo paraguaio. Nelas, consta que o presidente do país, Mario Abdo Benítez, sabia que o acordo energético feito em maio com o Brasil seria prejudicial para o Paraguai. Nos termos da negociação, a compensação financeira paga pelo Brasil ao Paraguai, por causa da energia gerada em Itaipu e utilizada em lares brasileiros, diminui substancialmente em relação ao contrato anterior, que valia desde 2009. A conta ficaria até US$ 200 milhões mais cara por ano para os paraguaios. Desde que o acordo foi divulgado, membros governistas do Paraguai renunciaram, incluindo o ministro das Relações Exteriores, Luis Castiglioni e o embaixador do país no Brasil, Hugo Saguier. A tensão de um processo de impeachment do presidente tomou conta dos noticiários e da pauta do Congresso. Após negociações, o partido de Benítez, o Colorado, concordou em não votar a favor do impedimento do presidente, amenizando os ânimos. O novo contrato já foi cancelado pelo Paraguai, também para evitar o impeachment, e agora os dois países tem até 2023 para negociarem novas regras envolvendo energia elétrica – algo que não será acordado em termos secretos de forma alguma, daqui para frente.

Estranho ouro

A polícia de São Paulo agiu com presteza e já prendeu seis suspeitos do roubo de 719 quilos de ouro no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. Está de parabéns. Estranha-se, no entanto, a demora policial na localização do ouro furtado e o fato de seu proprietário não tê-lo reivindicado. Se um suspeito foi levando ao outro, nenhum deles levou ao ouro?

ÁSIA
Seca na Tailândia faz ressurgir templo budista

Reuters

A grave seca que atinge a Tailândia fez com que o Wat Nong Bua Yai, um templo budista que está submerso numa represa há 20 anos, ressurgisse.

A falta de chuvas provocou queda de 3% no nível da água, fazendo com que as ruínas pudessem ser vistas pela segunda vez desde que foram inundadas. Em 2015, em cenário semelhante, elas também foram vistas. Uma situação rara, a de poder visitar um templo virtualmente impossível de ser alcançado em condições comuns, atraiu muitos turistas. Alguns budistas levaram flores até uma estátua do Buda no local, atualmente sem cabeça. Há o desejo entre moradores de vilarejos próximos de salvar o templo e as esculturas. Por enquanto, segue sendo um monumento temporário, até que volte a chover e a história se perca de novo.

MEIO AMBIENTE
Comer bem pelo clima

Um relatório da ONU afirmou que a solução para diminuir a emissão de gases efeito estufa está na alimentação das pessoas. De acordo com a entidade, dietas baseadas em vegetais e alimentos de origem animal criados de forma sustentável podem impedir o aquecimento do planeta. Além disso, foi apontado que o desperdício de alimentos é responsável por até 10% da emissão de gases estufa, de forma que os recursos agrícolas como terra e água empregados sejam em vão.

LAVA JATO
Eike preso, mais uma vez

MAURO PIMENTEL

O empresário Eike Batista foi alvo da Operação Segredo de Midas, desdobramento da Lava Jato no Rio. Motivo: trasnferência de património para os filhos. Ele fora condenado a 30 anos de prisão em janeiro 2017 por lavagem de dinheiro, mas estava cumprindo prisão domiciliar. Os investigadores calculam que Eike pagou cerca de US$ 16,5 milhões em propina ao ex-governador do Rio, Sérgio Cabral. Agora, estarão presos no mesmo lugar: Bangu 8.

JUSTIÇA
Assédio na cadeia

Divulgação

Luiz Estevão, senador cassado e condenado a 26 anos de prisão por fraudes na construção do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, passou três dias na solitária no presídio da Papuda, em Brasília. Motivo: ele assediou uma agente penitenciária. A acusação é de que teria chamado a mulher de “linda” entre outros “elogios”. Ele cumpre pena em regime semi-aberto, e não pôde deixar as dependências da cela de isolamento durante o período de punição. A Secretaria de Segurança promete avaliar o incidente e, caso seja necessário, aplicar novas punições.