Esportes

Os primeiros passos verdes do famoso Rali Dakar

No momento em que carros e motos começam a ser adaptados às novas demandas da vida cotidiana, o Rali Dakar, muitas vezes criticado pela poluição que gera, tenta dar os primeiros passos para se tornar uma corrida mais ecológica.

Para Anne Lassman-Trappier, chefe de mobilidade da associação France Nature Environments (FNE), o Dakar é uma corrida “estagnada”. “Ainda interessa a algumas pessoas, mas não se move mais no sentido da história”, acrescentou.

Mas como um aceno para os novos tempos, a famosa corrida tenta mostrar sua vontade de se tornar ‘verde’, à imagem de outros esportes automobilísticos.

“Quando um esporte mecânico é praticado, sabemos muito bem que não acompanhamos os tempos. Temos 350 veículos que rodam todos os dias e isso representa alguma coisa, mas estamos trabalhando”, garantiu.

– Utilitário elétrico para treinar –

Há vários anos, a corrida lançou um programa de compensação de carbono na Amazônia e também serve como laboratório para novos veículos.

Em 2017, um carro 100% elétrico conseguiu terminar a corrida pela primeira vez após duas falhas nos anos anteriores. O veículo, patrocinado pela Acciona, gigante espanhola de energia renovável, terminou em 52º, a 82 horas, 31 minutos e 48 segundos do vencedor, Stéphane Peterhansel.

Este ano, para a 42ª edição realizada na Arábia Saudita, um caminhão híbrido estreia na competição. Após cinco etapas, a equipe Riwald é penúltima.

“O sistema elétrico é carregado durante a condução, e por isso não há necessidade de um gerador ou de um carregador”, explica o piloto holandês Gert Huzink.

“Ele é simplesmente carregado pelo processo interno do caminhão”, acrescenta.

Paralelamente à corrida, um SUV elétrico (veículo utilitário esportivo) completa as etapas, com Guerlain Chicherit, que tem nove Dakars em seu currículo, ao volante.

“Hoje enfrentamos realidades, o automobilismo deve avaliar”, diz o francês. “É preciso aceitar que as coisas mudam, viver de acordo com o tempo atual”, acrescenta.

Com uma bateria de 60 kWh e dois motores elétricos, o Odyssey 21 atinge uma velocidade máxima de 200 km/h e vai de 0 a 100 em 4,5 segundos, fazendo muito pouco barulho.

– ‘Devolver o sentido ao Dakar’ –

“É muito surpreendente”, diz Chicherit. “Nos esportes automobilísticos, há um tipo de fantasma sobre o barulho, mas depois de ter corrido uma semana no deserto com um carro que não faz barulho, posso dizer que é muito melhor”, explica ele.

O experimento poderá se tornar um veículo de competição no próximo ano. O problema, no momento, é que uma bateria tem apenas 50 km de autonomia.

“A ambição é poder atuar em 2023 ou 2024, somos realistas. Mas é preciso começar em 2021”, acrescentou. Um dia haverá um Dakar 100% elétrico? “Vai acontecer, tenho certeza”, diz Theophile Cousin, um engenheiro que dirige o projeto.

Para Lassman-Trappier, essas iniciativas, se forem generalizadas, “podem dar sentido ao Dakar”.

“Se mudarmos completamente o tipo de corrida e favorecermos os veículos sem energia fóssil, competindo no deserto, vai fazer muito mais sentido”, disse ele.

A pergunta agora é se os organizadores ouviram a mensagem. Eles dizem que “em um período de dez anos” haverá uma categoria de caminhões 100% híbridos e dão a entender que o carro elétrico “poderá criar uma nova categoria”.

dif/jr/pm/aam

ACCIONA

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ Fundador da Ricardo Eletro e filha são presos em operação contra sonegação
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior