Os populistas detestam a imprensa

Na guerra, a primeira vítima é a verdade, diz a máxima. Na pandemia, é igual. Populistas aproveitam a crise para atacar a imprensa, mascarar ações medíocres e fortalecer seu poder. Donald Trump é o principal exemplo. Ele fez da desinformação seu principal instrumento de comunicação, como na bravata recente de que toma cloroquina preventivamente contra a Covid-19. Sua estratégia, por outro lado, levou paradoxalmente ao fortalecimento dos veículos tradicionais, ancorados na credibilidade e no aumento do número de assinantes. A gênese dessa disputa entre realidade e embuste é descrita no excelente Merchants of Truth, da ex-editora-executiva do New York Times Jill Abramson. O livro narra a ascensão da nova comunicação digital, que agora está em xeque. Em 2020, essa transformação praticamente se encerrou com a volta à saúde financeira do New York Times, o principal jornal americano, que contratou uma das principais estrelas da nova mídia: Ben Smith, ex-editor do BuzzFeed News. Sua incorporação marca o triunfo, pelo menos momentâneo, da velha imprensa, ainda que marcas centenárias e vitais tenham ficado pelo caminho.

A crise provocou um efeito positivo, ainda que não consolidado, de escrutínio da verdade. A população está mais atenta para os boatos inconsequentes sobre a doença, que podem custar a vida das pessoas. Há mais consciência sobre a necessidade de checar a fonte das notícias e detectar fraudes. Pela primeira vez, gigantes de tecnologia, como Facebook e Twitter, estão controlando a propagação de fake news. A rede de Mark Zuckerberg nunca se preocupou com a interferência política dissimulada e venenosa, que ajudou a levar o próprio Trump ao poder. Mas agora vê a necessidade de se posicionar ao lado da saúde.

A resistência da imprensa ainda está sendo posta à prova. Na Hungria, Viktor Orbán fez passar uma lei que prevê
a prisão de jornalistas. Bolsonaro estimula suas falanges a atacarem os jornalistas, como nos lamentáveis episódios recentes de Brasília. Trump até agora se safou, mas o coronavírus começa a agir. É difícil enganar com
os números assustadores de mortes e os indicadores da economia em queda livre. Algo semelhante deve acontecer no Brasil. Dentro da selva digital, a verdade é um ativo em alta. Os ditadores enrustidos estão em baixa. A imprensa ainda ocupa um papel crucial na construção e defesa da democracia. É isso o que mais incomoda populistas como Trump e Bolsonaro.

É difícil enganar a população com os números assustadores de mortes e os indicadores da economia em queda livre

 


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

Veja também

+ Restaurante japonês que fez festa de swing lança prato chamado “suruba”
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ KTM lança a nova e espetacular 1290 Super Adventure S
+ 7 tendências de design de interiores que vão bombar em 2021
+ Chef revela o segredo de como fazer ovos mexidos cremosos de hotel
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!l
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.