Os jagunços de Crivella 

Crédito: Divulgação

PÉSSIMO SHOW Marcelo Crivella e Bolsonaro dançam em evento evangélico: eles que façam o Carnaval que quiserem, mas nos deixem em paz (Crédito: Divulgação)

Em uma reportagem que merece entrar para os manuais de jornalismo investigativo, a Rede Globo revelou nesta semana que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, tem jagunços pagos com dinheiro público, cuja missão é impedir que seus fracassos na gestão da Saúde virem notícia. 

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Eles chamam a si mesmos Guardiões do Crivella, como se fossem um time de super-heróis da Marvel, mas o trabalho é barra pesada. Normalmente aos pares, ficam de tocaia na entrada de hospitais, fingem ser pessoas comuns e interrompem a gravação de reportagens abordando de forma agressiva entrevistadores e entrevistados, ou berrando palavras de ordem – em geral, de apoio a Jair Bolsonaro. O presidente, aliás, é unha e carne com o grupo político e religioso (e televisivo) Crivella, que é o mesmo do bispo Edir Macedo. 

A interferência no trabalho dos repórteres atenta contra a liberdade de imprensa, o que já é inaceitável. Mas trata-se também de constranger gente comum, que não consegue atendimento na rede municipal e aceita falar às câmeras de televisão porque precisa de ajuda. Os capangas de Crivella são funcionários públicos que todos os dias saem de casa para agredir os cidadãos aos quais deveriam servir. 

A filosofia por trás desse esquema é igual à que inspira a rede de bullying e fake news que o bolsonarismo criou nas redes sociais. Nos dois casos, o propósito é turvar as águas do debate público. O método do prefeito, no entanto, impressiona pela crueza e descaramento. Um de seus assessores mais próximos comanda a equipe de brucutus de dentro do Palácio da Cidade. 

Há pouco mais de um ano, a renovação de um contrato de mobiliário urbano serviu de pretexto para a abertura de um processo de impeachment contra Crivella. Como é comum nesses processos, o contexto importava mais do que o pretexto. A verdadeira razão da caçada ao prefeito era sua inépcia no trato com a Câmara dos Vereadores. 

Depois do susto, Crivella conseguiu normalizar sua relação com os políticos municipais. Embora continue com níveis baixos de aprovação, devido à incompetência na administração da cidade, não viu as ameaças de impeachment se renovarem. Agora, no entanto, ele é flagrado numa história em que o desvirtuamento do mandato público é escancarado. Os vereadores do Rio de Janeiro terão de dizer se compactuam com essa podridão. 

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Conheça os nomes completos dos personagens de Chaves

+ Atriz de ‘O Chamado’ é encontrada morta em casa

+ 8 maneiras de você parar de mandar mensagens para o seu ex

+ 10 sinais de que seu parceiro não te ama (como você gosta dele)

+ MC Brinquedo sofre acidente de moto dias depois de abandonar redes sociais

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.