A semana

Os brasileiros segundo os brasileiros: muita fé e muita criatividade

Crédito: Eduardo Anizelli

QUEM SOMOS Febraban e Ipespe mostram o País: pesquisa inédita (Crédito: Eduardo Anizelli)

Qual a característica que melhor representa e identifica o Brasil, segundo os próprios brasileiros? A resposta vem de uma pesquisa inédita realizada pelo Observatório Febraban a pedido do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe). E qual é essa resposta? A fé. Na verdade, qualquer extraterrestre que passasse uma semana no País capitaneado por Jair Bolsonaro diria que, diante de tanta iniquidade do governo federal, somente com muita fé é que dá mesmo para tocar o barco. 30% dos entrevistados afirmaram que a fé é o principal traço positivo do brasileiro, e esse sentimento prevalece na faixa de idade que vai dos 45 aos 59 anos, e, também, em meio às pessoas que cursaram até o ensino fundamental. Entre os mais jovens, o traço mais marcante é a criatividade. 20% responderam assim. Tudo bem: há de ser verdadeiramente muito criativo o brasileiro para sobreviver nessa náufraga economia. É como bem diz a maravilhosa canção de Gilberto Gil: “andá com fé eu vou, que a fé não costuma faia”.

Abolição

Divulgação

Para 31% dos entrevistados, o fato mais significativo da nossa história é a abolição da escravatura: a Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel

Sociedade
As duas alucinantes fugas de um ex-ginasta

LINHA DURA Fronteira separando as duas Coreias: vulnerabilidade (Crédito:CHUNG SUNG-JUN)

Alambrados de três metros de altura com arame farpado; soldados armados até os dentes; minas terrestres. Assim é a fronteira que separa a Coreia do Norte da Coreia do Sul, e tal aparato bélico ostensivo existe dos dois lados. Nada impediu, no entanto, que o ex-ginasta norte-coreano Kim Woo-joo, 29 anos, ultrapassasse tão arriscados obstáculos sem ser notado e sem sofrer sequer um arranhão. O mais surpreendente é que após um ano vivendo na Coreia do Sul, Kim driblou novamente as fronteiras e retornou à Coreia do Norte. O fato ocorreu no primeiro dia de 2022 e foi divulgado no final da semana passada. Ele fugiu da Coréia do Norte, cansado que estava do regime obscurantista no país. Por que retornou? Seria um agente a serviço da espionagem para alguma das Coreias? Isso ainda é mistério.

HOMENAGEM
O rosto de Maya Angelou estampará moeda nos EUA

PERSONA Maya Angelou e a moeda com sua face: reconhecimento pela luta favorável aos direitos civis (Crédito:DANIEL BOCZARSKI)

Pela primeira vez na história dos EUA o rosto de uma mulher negra estampará moedas — as que valem 25 cents. A homenageada é Maya Angelou, falecida em 2014, aos 86 anos. Na semana passada, instituições financeiras começaram a trabalhar com tais moedas, dentro do programa American Women Quarters, que inclui também a primeira grande atriz sino-americana de Hollywood, May Wong. Angelou segue sendo uma das mais poderosas vozes contra o racismo em todo o mundo por meio de livros e ensaios que escreveu. A sua principal obra, traduzida no Brasil, é a autobiografia Eu sei por que o pássaro canta na gaiola. Nela, Angelou narra a violação sexual que sofreu aos sete anos de idade por parte do namorado de sua mãe. Descoberto o autor do estupro, ele foi assassinado por tios de Angelou. Devido ao trauma sofrido, ela permaneceu muda ao longo de seis anos, época em que começou a escrever.

Ideologia
Nazismo, nunca mais

Divulgação

Foi com o sentimento de indignação que líderes do catolicismo e do judaísmo responderam à ação de radicais da extrema direita italiana que estenderam uma bandeira nazista sobre o caixão de Alessia Augello, ex-membro do partido Forza Nuova. O ato ocorreu após a cerimônia religiosa, na saída da paróquia de Santa Lúcia, próxima ao centro de Roma. Em nota oficial, além de considerar a bandeira como algo horrível, a diocese afirmou que o nazismo não pode ser conciliado com o cristianismo. A comunidade judaica lembrou as atrocidades nazistas e considerou o episódio como inaceitável.

Vacinação
Québec: vacina, álcool e maconha

RESTRIÇÃO Só os imunizados poderão entrar nas lojas: a ideia deu certo (Crédito:DAVID HIMBERT)

Na segunda província mais populosa do Canadá, Québec, a baixa adesão à vacinação contra a Covid foi resolvida da forma mais inesperada e original: o Ministério da Saúde do país anunciou que a venda legal de álcool e maconha estaria suspensa aos não vacinados. A ideia funcionou: o agendamento para receber a primeira dose subiu mais de 300%. A norma começa a valer na terça-feira 18, e quem não estiver com o passaporte vacinal em dia não poderá nem mesmo entrar nas lojas. Com o “empurrão”, o governo induziu à proteção contra o vírus e terá lucro com o crescimento na venda de maconha e álcool.