Edição nº2535 20/07 Ver edições anteriores

Os ataques às universidades

Nos últimos três anos, a Petrobras, maior empresa brasileira, foi alvo de um processo sistemático de desmoralização. Como resultado, a companhia começou a ser esquartejada, com diversos de seus ativos sendo vendidos sem nenhuma transparência, e o pré-sal, maior descoberta energética da última década, passou a ser entregue às grandes petroleiras internacionais. A legitimação desse desmonte se fez a partir de um discurso traiçoeiro: já que havia corrupção na estatal, como há em qualquer empresa de petróleo, mesmo as privadas, melhor que tudo seja entregue a empresas como a Shell.

O custo do entreguismo será sentido pelas próximas gerações, mas os primeiros impactos começam a ser medidos. Segundo um estudo do Unafisco, que reúne os auditores federais, o perdão tributário às petroleiras já soma R$ 54 bilhões. Se não bastasse, um estudo da Câmara aponta isenções de R$ 1 trilhão durante o tempo de exploração – e isso sem falar do impacto na indústria nacional de óleo e gás, paralisada após o fim da política de conteúdo local.

Agora, esse mesmo processo de desmoralização começa a atingir as universidades públicas. O episódio mais recente foi a operação “Esperança Equilibrista”, que usurpou um trecho de um hino contra a ditadura, desrespeitando os compositores João Bosco e Aldir Blanc, assim como a própria democracia, para batizar uma ação policial que humilhou professores e invadiu a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). De um ano para cá, quatro instituições já foram alvo de investidas desse tipo – além da UFMG, as federais do Rio Grande do Sul, do Paraná e de Santa Catarina. Nesse último caso, com um desfecho trágico, que foi o suicídio do reitor Luiz Carlos Cancellier, preso e acusado sem provas.

Por trás do ataque às instituições de ensino superior há uma disputa ideológica e também um projeto político, assim como havia no processo de desmoralização da Petrobras. Afinal, se há corrupção nas universidades federais – se é que há – melhor que sejam privatizadas. Iniciar a cobrança nas universidades federais é um velho projeto da direita brasileira, que conta com o apoio do ministro Mendonça Filho, que sempre foi um adversário de políticas de inclusão, como no caso das cotas.

Coincidência ou não, Mendonça Filho decidiu se manter em silêncio após o ataque à UFMG, que mereceu nota de repúdio assinada pelos reitores de todas as universidades e também um manifesto de intelectuais contra a agressão a direitos civis elementares. Numa situação como a que o Brasil enfrenta hoje, de semidemocracia após um golpe parlamentar, o ataque ao pensamento livre, representado pelas instituições de ensino superior, pode ter sido apenas o prenúncio de uma nova ditadura.

Criminalizar a Petrobras serviu para entregar o pré-sal. O alvo, agora, é o ensino superior gratuito


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.